AÇÃO

Com ajuda de chaveiros, combate ao Aedes aegypti chega a 79 imóveis abandonados no Recife

Residências e prédios comerciais fechados serão abertos por agentes de saúde e guardas municipais

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 01/03/2016 às 5:55
Leitura:
Foto: Juliana Oliveira/Rádio Jornal


Esses 79 imóveis foram visitados três vezes pelos agentes de saúde, como é de praxe, mas o acesso não foi permitido. Os casos são de negativa do proprietário ou imóvel fechado e a decisão agora é de entrar na marra. Nesses locais, a chance de encontrar criadouros e larvas do Aedes aegypti é enorme.

Os moradores também ajudaram na identificação por meio de denúncias. Nas redondezas, os vizinhos se queixam da dengue, febre chicungunha e alguns falam em contaminação pelo zika vírus.

Com a ajuda de um chaveiro, a Secretaria Municipal de Saúde entra no imóvel e inspeciona a área. Guardas da Prefeitura garantem a segurança do imóvel enquanto as equipes realizam a vistoria e colocam larvicida. O trabalho começou nesta segunda-feira (29), na Rua Vila Nova, no Ibura de Baixo, um dos bairros com maior infestação do mosquito.

O imóvel inspecionado é uma pequena moradia de alvenaria, desocupada há dois anos por falta de inquilino. O proprietário Rogério Luiz afirma que o abandono é relacionado a um problema de infraestrutura:

Finalizado o trabalho, o imóvel foi fechado e o proprietário orientado a combater os criadouros do Aedes aegypti. O chaveiro Gerson Gomes afirma que não existe qualquer tipo de estresse ou reclamação por parte da comunidade:

A vistoria num galpão abandonado há cerca de um ano na Comunidade Paz e Amor, no Ibura, também precisou de um chaveiro. O gerente de Vigilância Ambiental da Prefeitura do Recife, Jurandir almeida, garante que a meta será alcançada:

Mais Lidas