INVESTIGAÇÃO

Polícia e Sefaz investigam desvio de pelo menos R$ 20 milhões dos cofres públicos

A operação AVAXI ocorre em vários municípios e na RMR

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 04/03/2016 às 16:16
Leitura:
Foto: Reprodução SDS


A Polícia Civil de Pernambuco juntamente com a Secretaria Estadual da Fazenda, Sefaz, investiga um esquema de sonegação de impostos entre distribuidoras fantasmas e postos de venda de combustíveis no estado.

A operação que recebe o nome AVAXI, ocorre nas cidades de Ribeirão, Escada, Vitória de Santo Antão, na mata Sul do estado, Bezerros, no Agreste; Glória do Goitá, mata Norte e região metropolitana do Recife. Os detalhes foram apresentados nesta sexta-feira (04).

As usinas Estreliana e Cachool, localizadas em Ribeirão e Escada, através do gerente, Eduardo Pragana, faziam a distribuição ilegal para os postos de combustíveis. A delegada Wedyja de Andrade, titular da delegacia de crimes contra a ordem tributária, explica que a venda estava ocorrendo de forma indevida. “Na realidade, o álcool deveria sair das usinas para a distribuidora, e a gente identificou na nossa investigação que as usinas estavam distribuindo direto para os postos, ocasionando a sonegação fiscal”, disse.

Pelas normas da Agência Nacional do Oetróleo, gás natural e biocombustíveis (ANP) depois de sair das usinas, os derivados devem passar por vistoria de distribuidoras credenciadas para verificar a qualidade do produto e ser emitia a nota fiscal.

Desde o início da operação, em maio do ano passado, nove postos estão sendo investigados e uma loja de conveniência. Foram realizados 37 mandados judiciais, sendo 23 de busca de apreensão e 14 de condução coercitiva, quando a pessoa é levada a prestar depoimento.

Além do gerente das usinas Estreliana e Cachool, Eduardo Pragana, os donos de postos de combustíveis das cidades envolvidas na operação, sócios e funcionários estão sendo investigados.

Com o crime de sonegação de impostos, o estado tem deixado de arrecadar cerca R$ 20 milhões.

Depois que os equipamentos e documentos das empresas forem avaliados, a Secretaria da Fazenda vai divulgar o valor exato desviado.

Confira a reportagem de Suellen Fernandes:

Mais Lidas