EXPLOSÃO

Explosão de muro do Complexo do Curado atinge carros, casas e estabelecimentos comerciais

“Não haverá nenhuma possibilidade de fuga. É claro que os presos vão tentar fugir, tem sempre aqueles mais ousados", disse Pedro Eurico

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 05/03/2016 às 14:57
Leitura:
Foto: Juliana Oliveira | Rádio Jornal


Foi grande a movimentação neste sábado (05) em torno do Complexo Prisional do Curado, zona Oeste do Recife. Segundo informações, por volta das 3h da manhã, um dos muros da unidade Agente Penitenciário Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa) foi alvo de uma grande explosão. Moradores da área ficaram prejudicados após o estrondo. Mais de dez carros foram danificados que, de acordo com a polícia, pertenciam aos agentes penitenciários que trabalhavam no Complexo Prisional do Curado durante a madrugada.

Esta é a segunda ocorrência deste tipo no local. No mês de janeiro, um dos muros do presídio, localizado no muro da guarita, que fica na Rua Maria de Lourdes da Silva. Segundo a Secretaria de Ressocialização, 40 detentos fugiram na explosão ocorrida em 23 de janeiro. Desta vez, não houve fuga.

Os moradores que residem próximo ao presídio Agente Penitenciário Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa) ficaram assustados e relataram que tiveram parte das casas danificadas após o estrondo.

Além das residências, alguns pontos comerciais também foram atingidos. Uma loja de roupas localizada em frente ao Complexo foi atingida e teve duas portas de vidro quebradas com a explosão. O Instituto de Criminalística esteve no local para fazer perícia nos veículos atingidos, residências, pontos comerciais e no Complexo.

O secretário executivo de justiça e direitos humanos, Pedro Eurico, lamentou a situação e afirmou que pretende manter a ordem no local com os Agentes Penitenciários e Polícia Militar. “Não haverá nenhuma possibilidade de fuga. É claro que os presos vão tentar fugir, tem sempre aqueles mais ousados. Agora, nós estamos concluindo o processo de dispensa de licitação e, em caráter de emergência, reconstruir toda a muralha em concreto armado”, disse.

Confira a entrevista na íntegra:

Mais Lidas