ZONA NORTE

Inauguração do Compaz é marcada por protestos de artistas e professores

Espaço no Alto Santa Terezinha é o primeiro Centro Comunitário da Paz de cinco prometidos pela Gestão Geraldo Julio

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 12/03/2016 às 19:48
Leitura:
Fernando da Hora/JC Imagem


Reportagem de Clarissa Siqueira

A expectativa de movimentação para o primeiro Centro Comunitário da Paz (Compaz), do Recife que já começou a funcionar no Alto Santa Terezinha, na Zona Norte, é de 220 mil pessoas e em 40 mil atendimentos por mês. No local, são realizadas atividades esportivas e culturais, além de prestação de serviços, a exemplo do Procon, mediação de conflitos, atendimento especializado as mulheres vítimas de violência e sala do empreendedor.

Salas de aulas de inglês e espanhol, além de reforço escolar são algumas das atividades só voltadas para as crianças e adolescentes. Tudo isso gratuito. Durante a inauguração, neste sábado (12), o prefeito Geraldo Júlio falou que o Compaz do Alto Santa Terezinha é o primeiro de cinco que devem começar a funcionar.

Foram investidos mais de R$ 14 milhões no Compaz, desses, R$ 6 milhões foram da prefeitura e outros R$ 8 milhões do fundo estadual de apoio ao desenvolvimento, do Governo De Pernambuco. Durante o evento, o governador Paulo Câmara afirmou que a parceria entre a Prefeitura e o Estado também será mantida nos serviços do centro.

Durante a inauguração do espaço também foram registrados protestos. Os artistas do Estado, com cartazes, reclamaram contra a falta de apoio do Governo à cultura. Relembraram que as obras do Teatro do Parque, no Centro do Recife, permanecem paradas.

Já os professores da capital, em greve desde o dia 8 de março, reivindicaram a volta das negociações. Os profissionais alegam ainda que foram impedidos de forma violenta de realizar o protesto. Os professores pretendem acionar a Justiça diante do caso. A Prefeitura do Recife ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Mais Lidas