CRISE POLÍTICA

Facebook de juiz que suspendeu posse de Lula expõe partidarismo

O juiz da 4ª Vara do Distrito Federal Itagiba Catta Preta acatou um pedido popular de suspensão da posse de Lula

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/03/2016 às 14:04
Leitura:
Lula e Dilma durante cerimônia de posse

A cerimônia de posse do ex-presidente Lula como novo ministro-chefe da Casa Civil foi marcada por protestos contra e a favor do governo. Após a cerimônia, o juiz da 4ª Vara do Distrito Federal Itagiba Catta Preta acatou um pedido popular de suspensão da posse de Lula.

Ele disse “em vista do risco de dano ao livre exercício do poder judiciário, da atuação da Polícia Federal e do Ministro Público eu defiro (acato) o pedido de liminar (uma decisão temporária) para suspender o ato de nomeação de Lula para o cargo de ministro da Casa Civil ou qualquer outro que lhe outorgue a prerrogativa de foro”.

O secretário particular de Lula, Gilberto Carvalho, conversou com o repórter Romoaldo de Souza e falou que é obrigação da Advocacia Geral da União e do próprio Lula entrar com uma representação no Supremo Tribunal Federal (STF) para barrar essa decisão.

Confira os detalhes com Romoaldo de Souza:

O perfil no Facebook do juiz federal Itagiba Catta Preta mostra que ele tem posições políticas contrárias ao Governo Federal e ao Partido dos Trabalhadores (PT). Após a ampla divulgação das informações, o perfil dele foi excluído. A dúvida agora é se as motivações do magistrado foram políticas ou técnicas.

Postagem no Facebook do juiz

Juiz convoca para atos do dia 13 de março

Uma pessoa muito próxima de Lula disse que ele vai procurar duas pessoas, uma delas ainda na noite desta quinta. A primeira é tentar falar com Temer, que cancelou a sua participação na cerimônia de posse, alegando que Dilma afrontou uma resolução da Convenção Nacional do PMDB.

Lula também falou por telefone para marcar um encontro com o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Cesar. A ideia é que ele já abriu as portas para o diálogo.

Durante a cerimônia de posse de Lula, Dilma saiu em defesa do companheiro de governo e criticou firmemente o juiz Sergio Moro após ter incitado a população a ir às ruas, após a divulgação das conversas entre a presidente e o novo ministro-chefe da Casa Civil. “Estaremos avaliando as condições desse grampo que envolve a Presidência da República. Queremos saber quem autorizou e para que o autorizou”, disse. “Convulsionar a sociedade brasileira em cima de inverdades, de métodos escusos, de práticas criticadas, viola princípios e garantias constitucionais, viola diretos dos cidadãos e abre precedentes gravíssimos. Os golpes começam assim”, completou.

“Não há justiça quando leis são desrespeitadas. Não há justiça para os cidadãos quando garantias constitucionais da própria Presidência da República são violadas”, apontou Dilma.

Confira a coletiva completa da presidente:

Mais Lidas