CRISE POLÍTICA

Apenas 4,2% dos recifenses acreditam que Temer na presidência seria uma boa saída para a crise política

59,9% dos entrevistados são a favor da saída da presidente, mas o percentual de confiança no sucessor Michel Temer é pequeno

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 11/04/2016 às 7:46
Leitura:
Foto: Reprodução/Internet

Uma nova rodada da Pesquisa Instituto Maurício de Nassau (IPMN) sobre o cenário político atual no Brasil mostrou a opinião dos recifenses sobre o vice-presidente Michel Temer (PMDB). Dos entrevistados, 64,6% consideram que a chamada "Saída Temer", que consiste na posse do vice como presidente no lugar de Dilma Rousseff, não seria uma coisa boa.

Além disso, 85,5% dos entrevistados que já ouviram falar de Temer não confiam nele. Temer é o primeiro na linha de sucessão em caso de impeachment da presidente, o que é defendido por 59,9% das pessoas ouvidas na pesquisa. Por fim, apenas 4,2% dos recifenses acreditam que as coisas no Brasil iriam melhorar com a posse de Michel Temer.

A pesquisa identificou, ainda, que, mesmo com o aumento da rejeição, o ex-presidente Lula é o nome mais lembrado na corrida presidencial no Recife. O petista tem 25,1% da preferência, seguido pela ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade), com 21,6%. Em termos de legenda, o PT tem a admiração de 14,9% dos entrevistados. Em comparação, a rejeição ao partido chega a 46,6%.

A pesquisa foi feita com 624 pessoas nos dias 4 e 5 de abril, no Recife. A margem de erro é de 4 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O cientista político Adriano Oliveira, coordenador da pesquisa, conversou com Geraldo Freire nesta segunda-feira. De acordo com ele, a aprovação de quase 80% no fim do seu governo e que teve políticas sociais e inclusivas voltadas para as classes C e D, favorece a memória positiva da população. "Certamente esses eleitores, em época de crise, procuramm alguém para se socorrer. Como não existe uma liderança como o ex-presidente Lula e como a memória do seu governo ainda é positiva perante seus eleitores, ele aparece na frente", diz.

Mais Lidas