À imprensa internacional, Dilma chama vice-presidente de golpista

Durante coletiva, que durou mais de uma hora, Dilma fez um discurso semelhante ao que vem fazendo nos últimos meses

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/04/2016 às 16:31
Leitura:
Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

A presidenta Dilma Rousseff convocou uma entrevista coletiva, nesta terça-feira (19), para os jornalistas internacionais. Ela fez um discurso semelhante ao que vem fazendo nos últimos meses.

Dilma Rousseff disse o impeachment é golpe, afirmou que na América Latina há uma tendência muito grande dos presidentes serem retirados do poder sem cometerem nenhum tipo crime e afirmou que, infelizmente, no Brasil nós temos um vice-presidente que é golpista, farsante e temos uma política que tem um veio virado para o golpismo, que sempre se preocupou em destituir presidentes legitimamente eleitos.

Ontem, Dilma havia se reunido com jornalistas brasileiros, fez um sorteio para escolher as perguntas e falou durante cerca de 35 minutos.

Nesta terça, na entrevista com a imprensa internacional, Dilma não fez sorteio e falou por mais de uma hora. A presidente fez um discurso internacional na coletiva que foi transmitida por diversas emissoras de rádio do mundo todo, alguns canais de televisão que também pegaram o sinal porque foram avisados com antecedência.

Confira na reportagem de Romoaldo de Souza:

No Senado Federal já ficou definido qual vai ser o rito para que os senadores julguem o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Processo esse que chegou na tarde dessa segunda-feira (18) no Senado, entregue por um auxiliar do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Mas depois, Cunha e Renan Calheiros, presidente do Senado, se reuniram para uma fotografia.

Ficou acertado que até o dia 26 de abril, vai ser instalada a comissão. O relatório está sendo lido no Senado, nesta tarde. No dia 10 de maio, a comissão vai ter que concluir a votação do relatório na comissão especial, formada por 21 senadores, composta pela maioria das legendas.

Entre 17 e 18 de maio, no plenário do Senado Federal, vai ser votado o relatório dessa comissão. A reunião vai ser presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowsk. Se o relatório for arquivado o país segue em frente. Se for aprovado, a presidente Dilma será afastada do cargo para preparar sua defesa durante 180 dias e segue o processo no Senado.

Mais Lidas