TRAGÉGIDA

Ciclovia desaba e mata, pelo menos, duas pessoas no Rio de Janeiro

A ciclovia custou R$ 44 milhões, tem 3,9 quilômetros, 2,5 metros de largura e foi inaugurada há quatro meses

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 21/04/2016 às 16:18
Leitura:
Ciclovia foi inaugurada há quatro meses
Foto: Custódio Coimbra/ Agência O Globo

Um trecho da ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, inaugurada em janeiro, desabou na manhã desta quinta-feira, 21, levado pela ressaca do mar de São Conrado, no Rio de Janeiro. A ciclovia, que é suspensa e junto ao mar, teve um pedaço de mais de 50 metros arrancado pela água. O equipamento está interditado, assim como a Av. Niemeyer. Técnicos da Prefeitura ainda vão avaliar se há risco de outros desabamentos na ciclovia. O Corpo de Bombeiros confirmou que dois homens morreram no acidente e outras três pessoas foram resgatadas. Uma das vítimas fatais já indeficada foi o engenheiro Eduardo Marinho, de 54 anos.

A ciclovia custou R$ 44 milhões, tem 3,9 quilômetros, 2,5 metros de largura, vai do Leblon a São Conrado e foi inaugurada pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB-RJ) no dia 17 de janeiro. Na ocasião, ele declarou que a obra tinha "um efeito de integração incrível, já que juntou o bairro do Leblon e São Conrado", e que tinha potencial para servir de trajeto para pessoas que utilizam bicicleta para ir trabalhar. "É a ciclovia mais bonita do mundo", disse, referindo-se à vista livre para o mar. O trecho inaugurado foi o da primeira fase do Complexo Cicloviário Tim Maia, que irá até a Barra da Tijuca.

No vídeo abaixo feito por um cinegrafista amador e que está circulando pelas redes sociais é possível ver o tamanho do estrago e a força do mar. Confira:

A prefeitura emitiu nota lamentando o ocorrido. Confira a nota completa:

"O prefeito Eduardo Paes lamenta profundamente o acidente na Ciclovia da Niemeyer e se solidariza com as famílias das vítimas e com todos os cariocas neste momento. O prefeito estava em deslocamento para a Grécia - onde participaria, em Atenas, da cerimônia de passagem da tocha olímpica - e já está voltando para o Brasil. Paes atenderá a imprensa amanhã, assim que chegar ao Brasil, o que não tem horário previsto.

- É imperdoável o que aconteceu, já determinei a apuração imediata dos fatos e estou voltando para o Brasil para acompanhar de perto - disse o prefeito, que saiu ontem à noite do Rio.

A Prefeitura do Rio esclarece que a prioridade neste momento é garantir a segurança da população e o atendimento às vítimas e aos seus familiares. Técnicos do município estão desde cedo no local, trabalhando com coordenação da Secretaria Municipal de Obras. O resultado da vistoria realizada pela Fundação Geo-Rio para apurar as causas do acidente será divulgado assim que concluído. Os reparos serão executados pela empresa responsável pela construção, sem ônus adicionais ao município, já que a ciclovia ainda está na garantia de obra. A Avenida Niemeyer permanece interditada ao tráfego e o Corpo de Bombeiros continua as buscas no local."

Mais Lidas