DESAFIO

Reeducandos ficam feridos em briga no Complexo Prisional do Curado

O governo do estado anunciou o novo secretário da Seres. Cícero Márcio de Souza Rodrigues é agente penitenciário

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 22/04/2016 às 10:22
Leitura:
Novo secretário tem grandes desafios
Foto: Sindasp-PE


Um agente penitenciário assumirá pela primeira vez cargo de secretário Executivo de Ressocialização do Estado (Seres). Cícero Márcio de Souza Rodrigues toma posse às 11h da próxima segunda-feira (25) na sede da Secretaria de Justiça, no bairro do Recife.

Aos 45 anos, ele tem um desafio e tanto pela frente – gerenciar o sistema prisional pernambucano. São 32 mil pessoas a disposição da justiça em espaços que comportam no máximo 10 mil presos.

Além disso, a eterna reivindicação de melhores condições de trabalho dos agentes penitenciários.

A Seres informou, nesta sexta-feira (22), que o Presídio Frei Damião de Bozzano, no Complexo Prisional do Curado, registrou ontem (21), uma briga entre detentos em que resultou em dois reeducandos feridos: Pedro André da Cruz Amorim permanece em atendimento no Hospital Getúlio Vargas e Fábio Pereira da Silva foi atendido na UPA do Curado e já retornou à unidade. Ambos serão encaminhados à delegacia para prestar esclarecimentos sobre o fato.

Mais um registro de confusão no presídio expõe fragilidade do sistema
Foto: Reprodução/ Google Street View

Cícero Márcio de Souza substitui o coronel Eden Vespaziano que, para sair, alegou questões pessoais. O novo secretário de Ressocialização ocupava há nove anos a Gerência de Inteligência e Segurança Orgânica da Seres.

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindasp-PE), João Carvalho, avalia de forma positiva a mudança. “É uma pessoa de carreira, já foi assessor de secretário, trabalhou na inteligência e na parte de gerência”, destacou. “Tem que se colocar, nesse momento, para resolver o problema da crise uma pessoa técnica nessa função (...) Acredito que vai ser bom para o sistema, não por ser um agente penitenciário, mas por ser uma pessoa qualificada”, completou

Ouça o depoimento de João Carvalho:

Mais Lidas