ENTREVISTA

“Não vamos pagar o pato pela da má administração” diz Polícia Militar

Presidente da ASPRA questiona Governo do Estado e pede respeito. “Não descartamos greve”

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/04/2016 às 9:59
Leitura:
PM pedem reajuste de 18,5% e mais 6,5% de bônus por combate à violência. Foto ilustrativa: JC Imagem


Em um discurso duro com o Governo do Estado, o presidente da Associação de Praças dos Policiais e Bombeiros de Pernambuco (ASPRA), José Roberto Vieira, falou sobre a possibilidade de greve da Polícia Militar em Pernambuco. A entrevista foi dada ao comunicador Geraldo Freire na manhã desta segunda-feira (25), na Rádio Jornal.

É uma falta de respeito um governo que não vê as nossas reivindicações. Nosso movimento é legal e legítimo”, afirma José Roberto. Ele afirma que as associações de policiais estão com pauta conjunta desde 2014 e que neste momento, todas as negociações só tratam da questão salarial. Contudo, o oficial afirma que em outras demandas a situação é grave, com sérias dificuldades como viaturas sem funcionar e com pneus carecas e coletes à prova de bala vencidos.

Para o presidente da ASPRA, as secretarias estaduais pioram a situação e criam “um clima de insatisfação com a tropa ao dizer que todas as demandas foram atendidas”, disparou. Ele cobra “respeito e reconhecimento” e diz que o governo joga a sociedade contra os policiais: “Somos uma categoria que retribui muito com o Governo do Estado e não somos reconhecidos. O governo só coloca policiamento nos bairros de rico, não nos de pobre”, alfinetou.

Sobre a situação complicada da economia pernambucana, exposta durante um debate na última sexta-feira (22), com os secretários Marcio Stefani (Finanças) e Milton Coelho (Administração), no programa de Geraldo Freire, José Roberto Vieira reage: “Os policiais militares trabalham hoje fazendo duas funções. O governo faz comércio em cima da categoria”, afirmou. O policial ainda disse que os trabalhadores não são responsáveis pelo momento econômico atual e afirmou que o “trabalhador não vai pagar o pato pela má administração”.

Governo do Estado e representantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros se reúnem em uma nova mesa de negociações nesta quarta-feira (27). No mesmo dia, está marcada uma passeata em protesto por parte dos policiais com direção ao Palácio do Campo das Princesas.

Mais Lidas