CONSULTÓRIO

Dia das Trabalhadoras Domésticas: direitos e perspectivas

Em homenagem ao Dia das Trabalhadoras Domésticas o Consultório trouxe para discussão, os direitos da categoria

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 26/04/2016 às 21:29
Leitura:
Foto: reprodução/internet

Nesta quarta-feira (27) é comemorado simbolicamente o Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas e o Consultório do Rádio Livre tratou sobre os direitos dessa categoria. Graça Araújo recebeu a auditora fiscal do trabalho Felícia Mendonça e diretora-geral do Sindicato das Empregadas Domésticas, Luiza Mendonça. Ouça na íntegra:

“Estamos implantando a fiscalização do trabalho doméstico (...) na modalidade indireta, porque a gente chama os empregadores a comparecerem na sede da Superintendência Regional do Trabalho para apresentarem documento e prestarem informações sobre o cumprimento da legislação trabalhista aplicada às domésticas”, explicou a auditora fiscal do trabalho, Felícia Mendonça.

Foto: reprodução/facebook

De acordo com Felícia, há a possibilidade de entrar nas residências para uma análise mais direta no campo de trabalho das domésticas, mas a atividade é feita apenas com o consentimento do empregador. A verificação do ambiente é importante para avaliação das condições de segurança, mas para cumprimento de direitos como: pagamento de salários e carteira assinada, não há essa necessidade.

Leia também: A função do marqueteiro após os escândalos de corrupção, Moradores do Recife conhecem equipamento que monitora encostas, MPPE quer cassar licença de taxista flagrado em atos de violência.

Em junho de 2016, a legislação que assegura o cumprimento dos direitos das trabalhadoras domésticas completa um ano e para a e diretora-geral do Sindicato das Empregadas Domésticas, Luiza Mendonça falou sobre o que mudou com essa regulamentação. “A situação melhorou no cumprimento da carteira registrada, porque o empregador sabe que no caso de uma reclamação trabalhista o valor a ser pago é maior por conta do FGTS”, informou.

Segundo Luiza as domésticas estão “tendo seus direitos respeitados”, mas em contrapartida às melhorias, o índice de dispensas aumentou devido à crise e as demissões também sofridas pelos empregadores.

Mais Lidas