POLÍCIA MILITAR

Assembleia da categoria e negociação com Governo definem rumos da PM

Antes mesmo da reunião, Estado solicitou ajuda da Força Nacional do Exército em caso de greve da PM

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 27/04/2016 às 5:44
Leitura:


Esta quarta-feira (27) será um dia decisivo para os pernambucanos. Às 13h, policiais e bombeiros militares, que estão em campanha salarial e pedem reajuste de 18,5%, se reúnem em assembleia para discutir rumos da mobilização e se vai haver greve ou não. Ato será realizado em frente à Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Em seguida, líderes da categoria se reúnem com o Governo do Estado na Secretaria de Administração. A expectativa fica para qual será a resposta do Governo diante das reivindicações da tropa. A proposta de greve pode ser colocada em votação, sendo necessárias, pelo menos, 48 horas para iniciar a paralisação.

Os militares também pedem 6,5% de valorização pelo combate à violência. Além disso, os PMs também exigem melhores condições de trabalho por conta das armas obsoletas, coletes vencidos e fardamentos antigos.

O clima na tropa é de insatisfação depois das declarações do secretário de administração Milton Coelho na Rádio Jornal na semana passada. Alberisson Carlos, presidente da associação de cabos e soldados diz que o estado tem dinheiro sim para bancar os PMs:

Sem alarde, o Governo do Estado já solicitou a presença da força nacional caso a greve dos policiais militares seja deflagrada. O comandante da PM, coronel Carlos D’Albuquerque, reconhece os problemas de infraestrutura na corporação, mas garante que medidas estão sendo tomadas.

Questionado sobre o item financeiro, o coronel ressalta que o estado não pode gastar mais do que arrecada. Carlos D’Albuquerque não acredita em greve e apela para o bom senso entre os cerca de 20.300 pms:

Mais Lidas