PROCESSO

Senado acompanha leitura do parecer do processo de impeachment

O parecer do senador Antônio Anastasia, do PSDB de Minas Gerais, deve recomendar o andamento do processo

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 04/05/2016 às 14:25
Leitura:
Foto: Agência Brasil


A leitura do relatório do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Senado começou com cerca de meia hora de atraso. O parecer do senador Antônio Anastasia, do PSDB de Minas Gerais, deve recomendar o andamento do processo.

Antônio Anastasia ouviu, nesta semana, integrantes do governo e da oposição, representantes de setores da sociedade como juristas e especialistas em direito e também pessoas ligadas ao Tribunal de Contas da União e economistas.

Os convidados pelos governistas disseram que não há crime de responsabilidade e, portanto, não há motivo para abertura de processo contra a presidenta Dilma Rousseff. Já o representante do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União disse que as pedaladas fiscais cometidas pela presidenta foram deliberadamente para que houvesse uma sobra de caixa e esse governo fizesse o chamado superávit primário, ou seja, sobrasse dinheiro para pagamento de juros da dívida externa.

Confira os detalhes no flash de Romoaldo de Souza:

Na prática, o processo que a presidenta Dilma Rousseff está enfrentando no Senado Federal é porque a presidenta ao invés de repassar os recursos para os bancos públicos que tinham feito pagamentos de benefícios como bolsa família e agricultura familiar, o governo não fez esse repasse, ficou com esse dinheiro em caixa e atrasou uma operação que deveria ser feita para esses bancos públicos (Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal).

O senador Antônio faz a leitura do relatório e tem 24 horas no pedido de vista, portanto, uma vista coletiva e aí na sexta-feira tem análise e votação na comissão especial do relatório de Antonio.

O próximo passo vai ser na quarta-feira (11), em plenário, qualquer que seja o relatório do senador Anastasia vai ser votado no plenário do Senado. Caso o relatório recomende prosseguir com o processo, a presidenta será afastada por 180 dias, com Michel Temer assumindo a presidência. Se o relatório não for aprovado, Dilma não sofrerá nenhuma punição.

Mais Lidas