IMPEACHMENT

Humberto Costa: Temer não terá vida fácil se assumir presidência

Votação foi retomada após quase duas horas de atraso

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 11/05/2016 às 14:18
Leitura:
Senado Federal decide sobre o afastamento da presidenta Dilma Rousseff
Foto: Igor Maciel/ Cortesia


A votação do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi retomada, por volta das 14h30, após a primeira pausa, após quase duas horas de atraso. A primeira fala foi do senador Ronaldo Caiado (DEM).

O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT), disse que não conta votos: nem contra e nem favor. Ele reconhece que o resultado não é dos melhores, admite que o governo tem uma expectativa de que os dois terços não sejam atingidos hoje e por isso seria mais fácil negociar a retomada do poder de Dilma Rousseff daqui a seis meses, quando ela terá esse prazo para se defender.

No entanto, se Dilma for afastada e o vice-presidente Michel Temer assumir a presidência, er Humberto Costa disse que Temer não terá uma vida fácil. Ele salientou que não será uma oposição raivosa, mas o PT saberá atuar como oposicionista a Temer. “Mas uma oposição que não vai repetir a que foi feita a nós. Quando PSDB e DEM, principalmente, apostaram no quanto pior melhor. Patrocinaram as chamadas pautas bombas para gerar desequilíbrio fiscal e orçamentário no nosso país”, garantiu.

Romoaldo de Souza tem os detalhes:

O repórter Igor Maciel traz as informações de como foi a votação pela manhã:

O vice-presidente do Senado, Jorge Viana, disse assim que a votação for anunciada nesta madrugada ele vai recomendar que a Advocacia Geral da União entre com outros pedidos no STF para barrar o julgamento da presidenta Dilma Rousseff.

Segundo Jorge Viana, a avaliação que o governo faz é que esse processo de impeachment está viciado e, por isso mesmo, precisa ser corrigido e somente o STF pode dar correção de rumo.

Mais Lidas