CRIME

Tio de criança morta em Ipojuca é autuado por homicídio qualificado

Menino de 4 anos foi encontrado morto no sábado (14). Ontem, um adolescente confessou o assassinato, além de estupro, e disse ter contado com ajuda do tio da vítima

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 17/05/2016 às 8:15
Leitura:
Menino Carlos Fernando da Silva, 4, sumiu na última quinta-feira (12). Foto: Divulgação

Carlos Fernando da Silva, 4, foi encontrado morto no último sábado (14) com as mãos e os pés amarrados, uma camisa enrolada na boca e sinais de violência sexual. O tio da criança, Robson José da Silva, 23, foi apontado como mandante do crime por um adolescente de 17 anos que, na noite da última segunda-feira (16), confessou o crime. Ainda ontem, Robson José foi autuado por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e estupro de vulnerável.

Carlos foi visto com vida pela última vez na quinta-feira (12) brincando perto da casa onde morava em Ipojuca, Litoral Sul do Estado. O assassinato revoltou os moradores da cidade, que ajudaram a Polícia Civil a desvendar o caso com denúncias anônimas. Ontem, o adolescente confessou ter estuprado e matado a criança, além de ter acusado o tio de ser cúmplice. Segundo uma tia do menino, Maria José da Silva, o menor de idade teria uma briga com a família:



O adolescente é conhecido na comunicade por praticar furtos. Em depoimento, ele disse ter sido ameaçado de morte há cerca de um mês pelo pai da criança e afirma que foi obrigado por Robson José da Silva a consumar o crime. Em entrevista ao repórter Leopoldo Monteiro, da TV Jornal, o adolescente afirma que o tio do menino o ameaçou com uma faca:

O tio da criança nega participação no assassinato de Carlos Fernando. Os parentes não acreditam no envolvimento dele na morte da criança, que morava com a mãe numa casa simples no distrito de Camela. Robson José da Silva diz que é inocente e acredita na participação de outra pessoa no caso:



A polícia teve muito trabalho para evitar que a população agredisse o acusado durante a tarde de ontem. Cerca de 40 homens reforçaram a segurança na entrada da delegacia enquanto os suspeitos eram ouvidos. Os mais exaltados chegaram a atirar pedras e pedaços de madeira na delegacia, enquanto outros esvaziaram os pneus das viaturas.

O tio do menino foi encaminhado para o Cotel, em Abreu e Lima. Já o adolescente foi levado para uma unidade da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) no Recife. Nesta terça-feira (17), novos depoimentos de familiares do menino vão ser colhidos na Delegacia de Ipojuca. O resultado dos exames tanatoscópico e sexológico deve sair dentro de 15 dias.

Mais Lidas