BRUTALIDADE

Quatro são indiciados pelo assassinato do adolescente durante réveillon em Olinda

Polícia concluiu que dois adultos e dois adolescentes foram responsáveis pela morte de Ruan Eliakim Gonçalves Dantas, de 18 anos

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 19/05/2016 às 15:29
Leitura:
Crime aconteceu durante a festa de réveillon de Olinda
Foto: Reprodução/ Internet


Dois adultos foram presos e dois adolescentes apreendidos acusados de envolvimento no assassinato de um rapaz durante o réveillon deste ano na orla de Olinda. Acompanhado dos amigos Hamilton Kalison José de Andrade e Igor Santana Gomes de Moura, ambos de 18 anos, o casal menor de idade com 17 anos participou de uma briga que provocou a morte de Ruan Eliakim Gonçalves Dantas, de 18 anos.

A pancadaria teve início quando a adolescente disse ao namorado dela ter sido assediada pelo amigo de Ruan. O parceiro da garota partiu para cima do jovem começando a confusão, como explicou a delegada Gleide Ângelo, responsável pelas investigações do caso.

Confira os detalhes na reportagem de Lélia Perlim:

A titular da 9ª Delegacia de Homicídios de Olinda ainda detalha a participação da adolescente e o perfil dos demais envolvidos no caso. “Eles têm histórico de violência de rua. Eles são de briga, de bater. A pivô do caso, a adolescente que iniciou dizendo que tinham mexido com ela, participou de tudo. Ela instigou, ela induziu, ela bateu em Ruan caído já no chão”, falou a delegada.

Delegada Gleide Ângelo
Foto: Lélia Perlim/ Rádio Jornal

Segundo a delegada, os maiores de idades foram indiciados pelo crime de homicídio duplamente qualificado e os dois menores indiciados pelo mesmo alto infracional, equivalente ao crime. “Já está na Vara da Infância para decisão judicial. A gente está pedindo a medida socioeducativa de internamento diante da gravidade do crime de violência urbana”, destacou a delegada.

A irmã de Ruan, Lohany Dantas, relata como a morte dele afetou a saúde da mãe, que morreu quatro meses depois do rapaz vítima de câncer e o sentimento da família com a prisão dos envolvidos. “Minha família se desestruturou. Até o dia do ano novo minha mãe trabalhava, cozinhava e após a morte de Ruan ela teve essa piora”, revelou a irmã.

Se condenados pelo crime de homicídio, os adultos podem pegar penas de até 30 anos de reclusão.

Mais Lidas