IMPEACHMENT

Senadores a favor de Dilma ameaçam ir ao STF contra mudança no prazo de defesa

A Comissão do Impeachment se reuniu no Senado para tratar dos prazos de defesa para a presidenta afastada Dilma Rousseff

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 02/06/2016 às 15:55
Leitura:

Ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo, relator Antonio Anastasia
e presidente da Comissão Raimundo Lira - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


A Comissão do Impeachment está reunida no Senado para tratar dos prazos de defesa para a presidenta afastada Dilma Rousseff e, segundo requerimento da senadora Simone Tebet (PMDB), o que deve ser usado na comissão é o Código de Processo Penal (PCC) que fixa o prazo de entrega de alegações finais em cinco dias corridos e não cinco dias úteis como estava sendo o entendimento original.

Isso foi apenas um dos motivos para tamanha confusão da Comissão do Impeachment. Primeiro, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) apresentou um requerimento dizendo que todos os trabalhos da comissão deveriam ser suspensos até que a Procuradoria Geral da República (PGR) encaminhasse ao Senado Federal cópia de todos os áudios de investigados. Entre eles, Romero Jucá (PMDB) e o ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado.

A senadora Vanessa acredita que esses áudios devem ser anexados a defesa da presidenta Dilma Rousseff.

Confira os detalhes na reportagem de Romoaldo de Souza:

O senador Álvaro Dias, líder do PV, afirmou que não é justo que a senadora Vanessa Grazziotin tem dito que a imprensa brasileira tem trabalhado no que ela chama de golpe. Álvaro Dias lembrou que o tema do processo de impeachment contra Dilma Rousseff não é a Operação Lava Jato e por isso mesmo não faz sentido que gravações sobre as investigações sejam juntadas tanto em favor como contra a presidenta afastada.

Quando o presidente da Comissão, o senador Raimundo Lira (PMDB), definiu que o prazo vai ser o de cinco dias corrido houve bate-boca e o próprio senador não teve como controlar. A sessão foi suspensa e depois voltou ao normal.

Senadores a favor da presidente Dilma Rousseff ameaçam ir ao Supremo Tribunal Federal.

Mais Lidas