AUDIÊNCIA MARCADA

“Estamos combatendo a sonegação para não aumentar impostos”, diz secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Stefanni

Confira na íntegra o quadro "Audiência Marcada" desta sexta-feira (3), comandado por Ednaldo Santos, que teve a participação do repórter de política do JC, Franco Benites

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 03/06/2016 às 22:35
Leitura:
Foto: Rádio Jornal

No quadro "Audiência Marcada" desta sexta-feira (3), Ednaldo Santos recebeu o secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Stefanni, e também o repórter de Política do JC, Franco Benites.

O secretário manifestou na parte inicial do programa a preocupação com a decisão do Congresso Nacional de elevar os vencimentos do Judiciário. “Eu observo com surpresa e espanto. A majoração dos salários dos ministros vai beneficiar também o Judiciário dos Estados e trazer implicações financeiras preocupantes. O Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais são estados grandes financeiramente, mas estão atrasando salários”.

Advogado e funcionário de carreira do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Márcio Stefanni antes de assumir a nova pasta foi o titular da Secretaria da Fazenda do Governo Paulo Câmara e tem uma ampla visão contábil de Pernambuco. Ele disse que Paulo Câmara cortou o custeio da máquina para manter o equilíbrio das contas. Segundo ele, Pernambuco é o 4.º Estado da Nação que menos gasta. Mesmo assim, o limite prudencial com gasto de servidores que é de 46,55% atingiu a marca de 47,13%.

De acordo com o secretário, um contingente de 130 mil pernambucanos perderam o emprego entre 2015 e os três primeiros meses de 2016. Os números representam 10% de desempregados em nível nacional.

Para manter a “casa em ordem”, Márcio Stefanni contou que o Governo está se pautando em três pontos. O primeiro é solicitar a compreensão do funcionalismo público que o momento não é aumentar salário. Outro item é não elevar impostos e o terceiro é realizar um estudo a fim de oferecer renúncia fiscal para as empresas.

O secretário enfatizou que os técnicos do Estado estão empenhados na luta contra a sonegação. “Estamos aplicando ações de inteligência para evitar a evasão de divisas. Recentemente, fechamos alguns postos de combustíveis que vinham lesando os cofres públicos”, informou.

Indagado se o governado Paulo Câmara terá condições de cumprir os compromissos de campanha, o entrevistado afirmou que o compromisso é manter os serviços, atravessar a crise e depois concretizar as promessas.

A respeito do pagamento do funcionalismo, o secretário reafirmou que o os vencimentos serão liberados no quinto dia útil de cada mês.

Ouça a entrevista completa:

Mais Lidas