APÓS SEIS MESES

Polícia ainda não tem previsão de concluir inquérito do caso Beatriz

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, mais de 130 pessoas já foram ouvidas

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 10/06/2016 às 14:15
Leitura:
Beatriz foi morta a facadas
Foto: Reprodução

O Ministério Público de Pernambuco ainda não definiu o novo promotor que vai assumir o caso da menina Beatriz Mota, de 7 anos, que foi assassinada em dezembro do ano passado, durante uma formatura do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina, Sertão do estado. O ex-representante do MPPE, o promotor Carlan Carlo da Silva, deixou de acompanhar as investigações no início deste mês e não foi divulgado o motivo do afastamento.

Nesta sexta-feira, o delegado responsável pelo caso, Marceone Ferreira, concedeu uma entrevista coletiva na Delegacia de Petrolina. O delegado comentou que mais de 130 pessoas já foram ouvidas, mas até agora, seis meses depois do crime, ninguém foi preso.

Confira os detalhes na reportagem de Juliana Nascimento:

“As investigações permanecem a todo vapor. Em nenhum momento essa investigação vai cair no esquecimento. Ela só vai parar quando nós efetivamente conseguirmos elucidar esse caso”, garantiu o delegado.

A mãe de Beatriz, Lúcia Mota, fez um desabafo. Ela diz que se a escola tivesse segurança ela ainda teria a filha nos braços. “Se o colégio tivesse contratado uma empresa para segurança, se o colégio tivesse colocado uma lista de frequência para controlar a entrada e a saída das pessoas isso não teria acontecido com a minha filha”, apontou a mulher.

Lúcia Mota ainda manda uma mensagem para todas as mães que perderam um filho em situação semelhante. “Lutar por justiça para que esses criminosos paguem o que fizeram”, falou a mãe.

O ex-promotor Carlan Carlo da Silva ainda chegou a considerar como hipótese para justificar o homicídio, motivação religiosa, mas, até agora, a suposição não foi confirmada. A polícia diz que quem tiver informações pode ligar para o Disque Denúncia no telefone 3421-9595, na capital. No interior do estado o telefone é 3719-4545.

Mais Lidas