CATOLICISMO

Para Igreja, festa de Santo Antônio é bem mais do que comidas de milho

Patrono do Recife, Santo Antônio é considerado o padroeiro dos pobres, da família e do casamento

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 13/06/2016 às 9:01
Leitura:
Foto: Juliana Oliveira/Rádio Jornal


Português de nascimento, Santo Antônio foi batizado de Fernando de Bulhões quando criança. Ele era de uma família rica, mas se dedicou a evangelização através da Ordem Franciscana.

Quando ordenado, Fernando escolheu Antônio como nome. Ele foi considerado Santo pelo Vaticano menos de um ano da morte, em 1231, na cidade de Pádua, na Itália.

Santo Antônio é padroeiro do Estado de Pernambuco, da cidade do Recife e da Arquidiocese de Olinda e Recife. Ele é um dos santos mais populares do catolicismo, com uma numerosa gama de títulos e homenagens.

Na cultura popular é apontado como o santo casamenteiro, protetor das crianças, das famílias e das coisas perdidas. Na Região Metropolitana do Recife, duas comemorações se destacam quando o assunto é a festa de Santo Antônio.

Festa especial

Este ano, a festa em homenagem a Santo Antônio tem significado especial por conta da reabertura do Convento e Igreja dedicados ao santo casamenteiro. O convento do Século XVII fica na Rua do Imperador, centro do Recife, e passou seis meses fechado por risco de desabamento.

Nesta segunda-feira, dia de Santo Antônio, além da missa realizada às 6h e 8h, serão realizadas missas às 10h e 17h. A tradicional benção das crianças e dos lírios – símbolo da pureza – ocorre pontualmente às 15h.

Já em Olinda, a procissão solene sai do Convento de São Francisco, ordem à qual Santo Antônio é ligado, rumo a Igreja da Sé, às 19h. Frei Romoaldo Bezerra de Araújo, guardião do Convento de Santo Antônio, fala das simbologias do religioso:

Você sabia que Santo Antônio é, até hoje, um dos vereadores de Igarassu? Conheça a história de Santo Antônio e sua ligação com Pernambuco e o Recife.

Mais Lidas