IMPEACHMENT

Perícia do Senado mostra que não houve pedaladas fiscais

No entanto, técnicos do Senado apresentaram que presidente afastada agiu diretamente na edição de decretos de crédito suplementar

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 27/06/2016 às 16:04
Leitura:
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil


Técnicos do Senado chegaram à conclusão de que a presidente afastada Dilma Rousseff agiu diretamente na edição de decretos de crédito suplementar sem a autorização do Congresso Nacional, mas não cometeu pedaladas fiscais.

O relatório do Senado Federal aponta que não foi identificada uma ação direta de Dilma Rousseff na decisão para atrasar os pagamentos a União para bancos públicos, ou seja, não houve pedaladas fiscais.

Confira os detalhes na reportagem de Romoaldo de Souza:

A lei orçamentária anual determina que toda vez que um presidente da República precisa de recursos em caixa e tiver de editar um decreto para buscar esses recursos, tem de pedir autorização aos deputados e senadores. E segundo o relatório que foi feito pelos técnicos do Senado, a presidente ignorou o parlamento.

Ainda conforme a auditoria, Dilma Rousseff assinou decretos para liberar R$ 2,5 bilhões em crédito extraordinário sem o aval do Congresso Nacional.

Um dos auditores, Diego Prandino, disse que a presidente afastada tem essa informação porque todo o executivo tem de ter a informação de que o decreto suplementar, portanto, para aumentar o dinheiro em caixa, tem de ter autorização do Parlamento Brasileiro. “No momento em que eles não estão de acordo com o permissivo essa autorização para abertura de crédito deveria vir de um projeto de lei a ser encaminhado ao Congresso”, disse o auditor, apontando que a presidente é autora do decreto.

O advogado de defesa de Dilma Rousseff na Comissão do Impeachment, José Eduardo Cardoso, vinha sustentando que o aval dos congressistas não era um ponto determinante. A documentação do Senado diz que é o contrário e que a presidente afastada deveria ter pedido autorização ao Parlamento.

Mais Lidas