DEBATE

Givanildo Oliveira fala sobre preconceito contra técnicos nordestinos

O ex-técnico que do Sport e Santa Cruz falou ainda sobre a vida de treinador e a passagem pela Seleção Brasileira

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 28/06/2016 às 13:35
Leitura:
Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem

No debate da Super Manhã desta terça-feira (28), recebeu o treinador Givanildo Oliveira, 67 anos, para falar sobre a atividade, as histórias do futebol. O comentarista esportivo Ralf de Carvalho e o jornalista de esportes do JC Carlyle Paes Barreto também participaram do debate.

O ex-técnico do Sport e do Santa Cruz revela preconceito no futebol brasileiro com relação aos treinadores nordestinos. Nas duas principais divisões do futebol brasileiro, atualmente, não têm treinadores do Nordeste. Ele acredita que mesmo com bons resultados nunca recebeu convites dos grandes times por conta do preconceito por ser nordestino. “É preconceito. Eu já venho dizendo isso há um certo tempo”, comentou. “Eu já vi treinador chegar aqui que tinha passado em time, talvez do interior do São Paulo, e vingou no time que defendeu aqui e depois ir para um de ponta”, mostrou.

Ele lembrou de uma passagem de quando era técnico do Atlético Paranaense. O time fazia uma boa camapanha e teve uma queda no rendimento da equipe após a venda de cinco atletas importantes. "Eu passei na banca e vi a manchete 'se Givanildo perder amanhã vai voltar para o Sertão'. Aí dizem que eu sou chato. Isso é jeito de tratar?", relembrou o profissional.

Antes da vida de treinador, Givanildo passou pela Seleção Brasileira. Foram 13 convocações em 1976 conquistou o Torneio Bicentenário dos Estados Unidos, em 1976. Ele disse que não acredita que para ser treinador é preciso ser ex-jogador, mas ponderou que os técnicos que já tiveram a experiência no gramado como jogadores têm um pouco mais de vantagem.

Conhecido pelo jeito fechado e o semblante sério, Givanildo revelou que não é de sorrir muito e não gosta de comemorações, mas é chora com facilidade. “Sou muito emotivo, com certeza, e às vezes as pessoas não acreditam. Mas eu não andar na rua andando”, disse.

Givanildo Oliveira soma seis acessos à Série A na carreira, três com o América?MG, um com o Paysandu, um com o Santa Cruz e outro com o Sport.

Confira os detalhes no debate:

Mais Lidas