VIOLÊNCIA

Criança que teve mãe morta por queimaduras está em abrigo de Palmares

Principal suspeita de ter assassinado Jeane Ferreira, Margarida Silva, está presa

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 30/06/2016 às 14:19
Leitura:
Namorado da vítima é suspeito de ter participado do crime e está foragido
Foto: Reprodução


A Polícia Civil ouviu nesta quinta-feira Margarida Maria da Silva, a principal suspeita de ter ateado fogo no corpo de uma mulher de 31 anos, em Catende, na Zona da Mata Sul do estado, em fevereiro deste ano.

A vítima, Jeane D'arc Ferreira da Silva, foi encaminhada ao Hospital da Restauração, onde não resistiu aos ferimentos, depois de ser encontrada carbonizada nas margens da rodovia que liga Catende à São João do Monte.

De acordo com a investigação, Margarida teria procurado uma conhecida da vítima, identificada como Mércia, para intermediar a doação de um bebê. Na época, ainda com 5 meses de gestação, Jeane e o companheiro dela, Cláudio José da Silva, de 33 anos, combinaram o repasse da criança.

Confira os detalhes na reportagem de Rafael Carneiro:

Principal suspeita do crime está presa
Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal

Para o delegado Gustavo Garcia, o crime pode ter ocorrido a partir da desistência da vítima. “Pelo que tem na investigação, a princípio foi um acordo da própria vítima, mas acho que no final ela mudou de ideia e aí veio essa trama possivelmente de Margarida e o companheiro de Jeane”, disse.

Além de homicídio qualificado, Margarida poderá ser indiciada por subtração de menor e falsidade ideológica, já que registrou a criança como mãe e estava com ela há cinco meses depois da morte da mãe biológica.

Na saída para a Colônia Penal Bom Pastor, no Recife, onde vai cumprir prisão preventiva de 30 dias, Margarida se defendeu das acusações. “Eu não participei desse crime e nem soube dessas coisas aí. Eu sou mãe, tenho três filhos, 42 anos e jamais faria uma coisa dessa, porque isso é uma crueldade”, falou a suspeita.

Mércia, apontada por Margarida como responsável pelos crimes, vai ser ouvida nos próximos dias. Já Cláudio José suspeito de ter negociado o repasse do filho de Jeane e participado da morte dela é procurado pela polícia.

O bebê foi acolhido pelo Conselho Tutelar de Catende e passa bem em um abrigo de Palmares. Os conselheiros tutelares vão procurar familiares de Jeane para avaliar se possuem condições de recebê-lo.

Mais Lidas