DEBATE

Cardiologista fala sobre Takotsubo, síndrome que pode levar ao infarto

O debate da Super Manhã cardiologistas Alberto Nicodemus e Edgar Pessoa de Melo e o endocrinologista Francisco Bandeira

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 05/07/2016 às 13:36
Leitura:
Foto: Reprodução/ Internet

A saúde do coração com dicas e orientações de especialistas de área. O debate da Super Manhã cardiologistas Alberto Nicodemus e Edgar Pessoa de Melo e o endocrinologista Francisco Bandeira.

Segundo Francisco Bandeira, endocrinologista e cardiologistas tendem a trabalhar juntos por conta da estreita relação entre as doenças. “Os problemas metabólicos são as causas mais importantes das doenças cardiovasculares hoje”, avaliou o especialista, lembrando dos riscos do excesso de peso para o coração.

Leigamente, costuma-se atribuir características a uma pessoa que tem o “coração forte”, como alguém que não chora com a perda de um parente querido. O cardiologista Nicodemus acredita que um coração forte é um coração saudável. “Aquele coração que é bem tratado, que desde o começo o indivíduo procura manter regras saudáveis de saúde, evitando adiposidade e fazendo exercícios frequentes. Isso leva a um coração saudável que pode resistir a um impacto grande”, comentou.

O cardiologista falou sobre a repercussão de acontecimentos no coração. “Existe uma síndrome bem definida que é Takotsubo, acho que todo mundo já ouviu falar em ‘morreu de susto’”, disse. “O impacto é tão grande e a descarga de adrenalina é tão grande que atua no coração e faz com que as artérias coronárias se contraiam e levem ao infarto, e até mesmo o coração sadio pode ter algum grau de comprometimento”, completou, acrescentando que um órgão sadio conseguiria suportar.

Confira o debate completo:


O especialista Edgar Pessoa lembra que não só grandes tristezas, mas grandes alegrias também podem desencadear a síndrome de Takotsubo. “A doença cardiovascular hoje a gente tem um conhecimento abrangente do que leva a esses riscos e o cuidado que a população pode ter para evitar”, comentou.

Mais Lidas