MOTIM

Secretário de Justiça afirma que não houve fuga no Presídio de Caruaru

Segundo Pedro Eurico, ainda não há números oficiais sobre as vítimas da rebelião

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 24/07/2016 às 9:00
Leitura:
Foto: Sérgio Bernardo / JC Imagem

Após rebelião na Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, no Agreste do Estado, o Secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, afirmou que não houve fuga na unidade. Ainda segundo o gestor, ainda não há números oficiais sobre as vítimas da rebelião. Porém, o Sindicato dos Agentes Penitenciários informou que seis reeducandos morreram e mais de 15 estão feridos. O motim teve início por volta das 17h desse sábado (23) e só foi controlado após quatro horas. O Batalhão de Choque da Polícia Militar teve que se deslocar até a Capital do Agreste para ajudar no controle dos detentos.

Sobre a possibilidade de transferência de presos, o secretário disse que a medida será estudada pela gestão. Na manhã deste domingo (24), a polícia continua no presídio para realizar o serviço de rescaldo. Pedro Eurico ainda disse que, recentemente, a direção da unidade combateu a ação de facções dentro do presídio. Porém, ele ainda não sabe o motivo da rebelião. Nas rede sociais, várias imagens de corpos decapitados e presos feridos foram compartilhadas. Até o momento, a Secretaria de Ressocialização de Pernambuco não confirmou óbitos no local.

Confira a entrevista do secretário Pedro Eurico para o comunicador Paulo Roberto, do Superdomingo:

Nota Oficial

A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) informa que na tarde deste sábado (23/07), detentos da Penitenciária Juiz Plácido de Souza (PJPS), em Caruaru, realizaram uma rebelião que resultou em 11 feridos que foram encaminhados ao Hospital Regional do Agreste, três deles já retornaram à unidade. Há registros de 06 mortes.

A situação foi controlada ainda na noite de ontem, porém em razão do incêndio ter destruído dois pavilhões da unidade, as visitas que ocorreriam neste domingo (24), serão programadas para o decorrer da semana. Por medida de segurança, foram transferidos 11 detentos para outras unidades da região. Na ação, estiveram na unidade o Grupo de Operações e Segurança (GOS/Seres), efetivos das polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu). Um inquérito será aberto para apurar as mortes registradas.

Ouça mais detalhes no Flash de Tomás Alves:

Mais Lidas