HOMICÍDIO

Ex-membro da Orquestra Criança Cidadã é assassinado em Joana Bezerra

Em nota, a OCC disse que o jovem abandonou a orquestra, mesmo com orientações e pedidos para permanecer no projeto

Rádio Jornal; atualizada às 14h23
Rádio Jornal; atualizada às 14h23
Publicado em 02/08/2016 às 10:15
Leitura:
Jovem chegou a tocar para o Papa Francisco
Foto: Cortesia


Está marcado para esta quarta-feira (3), no cemitério de Santo Amaro, o enterro do jovem músico Moyses Gonçalves de Barros, de 21 anos. Ele foi assassinado na noite dessa segunda (1º), quando estava em um veículo com o pai, que presenciou o crime, na Ilha de Joana Bezerra, na área central do Recife. O jovem chegou a ser socorrido para a Policlínica Agamenon Magalhães, mas não resistiu. Moyses era músico e chegou a tocar violino na Orquestra Criança Cidadã.

De acordo com o pai de Moyses, na semana passada, um dia antes de completar 21 anos, Moyses teria sofrido outra tentativa de homicídio. O principal suspeito seria um homem identificado como Geraldo Junior, conhecido como Babu. Eles seriam amigos de infância e a briga teria sido motivada, segundo a família, por conta de uma corrente de prata avaliada em R$ 1 mil.

Moyses trabalhou na Orquestra Criança Cidadã e a família disse que ele participou da apresentação para o Papa Francisco. O enterro de Moyses será realizado no Cemitério de Santo Amaro, nesta quarta-feira (3), às 9h.

Rapaz participou da Orquestra desde a sua fundação, em 2006

A Orquestra Criança Cidadã emitiu nota lamentando a morte de Moyses. Confira:

Alunos, funcionários e professores da Orquestra Criança Cidadã foram surpreendidos com a notícia do falecimento de seu ex-aluno Moysés Gonçalves de Barros, na última noite, por motivações que ainda não são do nosso conhecimento em sua totalidade.

Moysés integrava a OCC desde sua fundação, em 2006, e chegou a fazer parte da equipe que viajou para Roma em novembro de 2015, quando da gravação do álbum mais recente da Orquestra (Concertos de Bach para violino e orquestra por Orquestra Criança Cidadã e Yoko Kubo), além de ter sido monitor no Núcleo do Ipojuca.

No entanto, desde o final do semestre passado, Moysés não frequentava mais aulas nem desempenhava funções, tendo deixado o projeto mesmo com orientações e pedidos para que permanecesse integrado.

O enterro está marcado para as 9h desta quarta-feira, dia 03 de agosto, no Cemitério de Santo Amaro, quando alunos e equipe dos dois núcleos da OCC (Coque e Ipojuca) prestarão sua última solidariedade.

Mais Lidas