POLÍTICA

Senador Armando Monteiro Neto diz que governo interino tem emitido sinais "contraditórios"

Armando Monteiro foi o convidado de debate da Supermanhã. Em pauta, impeachment, eleições e a cassação de Eduardo Cunha

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 12/08/2016 às 14:07
Leitura:
Senador participou do Debate da Supermanhã desta sexta-feira


"O novo Governo tem emitido sinais muito contraditórios", afirmou o ministro licenciado e senador pelo PTB, Armando Monteiro Neto. Ao mesmo tempo em que diz que o déficit é grande, tem feito concessões em projetos que impactam a despesa pública, justificou o político. A ajuda ao estado do Rio de Janeiro, renegociação de dívidas dos estados e reajustes de servidores seriam alguns desses projetos. Armando Monteiro participou do debate da Supermanhã, nesta sexta-feira (12), na Rádio Jornal.

Questionado sobre o momento econômico do país, ele afirmou que "estamos iniciando um processo muito tênue de recuperação (...). Os índices de confiança estão melhorando, mas estamos longe de criar bases para um processo de desenvolvimento". Ao ser questionado sobre a economia no governo Dilma Rousseff e no atual governo Temer, ele afirmou que nos últimos três meses do governo Dilma, a produção industrial teve leves sinais de recuperação, mas os atuais índices de confiança realmente vêm afetando de maneira mais positiva a economia.

Sobre a expectativa relativa ao julgamento do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o senador manifestou preocupação por alguém com tamanho protagonismo durante o processo de votação do impeachment estar envolvido com denúncias gravíssimas e ainda continuar sem punição. "E esse personagem ainda está fazendo manipulação nos bastidores (...). O sujeito comete todo tipo de falcatrua e ainda paira como alguém que pode fazer uma revelação gravíssima, desvendar um mistério", afirmou.

Ouça entrevista na íntegra que contou com a participação do comunicador Geraldo Freire, Fernando Castilho, jornalista de economia do Jornal do Commercio, e Giovanni Sandes, colunista de política do JC.

Mais Lidas