OPINIÃO

Para vereador André Régis (PSDB), impeachment é fato consumado

Vereador e presidente municipal do PSDB, André Régis, e o presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro, discutiram o impeachment no Debate da Super Manhã

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 25/08/2016 às 14:07
Leitura:

O início do julgamento do impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Senado reuniu no Debate da Super Manhã, desta quinta-feira (25), o presidente municipal do PSDB, o vereador do Recife André Régis, e o presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro. Além do advogado Humberto Vieira de Melo.

O tucano afirma que o “fato já está consumado” e que a presidente será afastada em definitivo. “Eu acredito que todo esse debate, apesar de longo, cansativo e repetitivo, é importante para que não exista qualquer tipo de dúvida quanto aos trâmites democráticos, constitucionais que foram seguidos”, comentou o vereador.

Segundo ele, o processo de impeachment da presidenta Dilma é realizado com muito mais rigor do que o processo enfrentado pelo ex-presidente Fernando Collor, comparando o tempo de conclusão dos dois processos.

LEIA MAIS SOBRE O PROCESSO DE IMPEACHMENT

Esplanada terá mais de 1,3 mil PMs durante votação do impeachment

Senado começa a julgar pedido de impeachment de Dilma. Entenda o rito

No entanto, o presidente do PSDB do Recife diz que a demora do processo de Dilma atrapalha a economia do Brasil. “Quanto mais demora para finalizar o processo os setores produtivos aguardam e quando aguardam para retomada do crescimento, dos investimentos isso faz com que mais desempregos ocorram, a crise demora mais para ser debelada”, avaliou.

O presidente estadual do PT defende a permanência de Dilma e acredita na possibilidade de uma virada. “Lutar pela democracia e por direitos nunca foi causa perdida nesse país e nem na história das democracias. O PT não dá como resolvido essa questão do impeachment até porque lutamos contra uma fraude que é o que ele é”, disse.

Bruno Ribeiro falou que não há crime sem lei, se referindo ao suposto crime de responsabilidade que a presidente afastada é acusada. De acordo com ele, no dia 29 não termina o processo. “No dia 30 começa um ciclo imprevisível. Se Temer deixar de ser interino ele continua como ilegítimo e impostor. Vai governar o país sem voto para governar”, comentou.

Confira os detalhes no debate:

Mais Lidas