POLÍTICA

Dilma pode ter direitos políticos preservados caso perca o mandato

Votação final do processo de impeachment está marcada para esta terça-feira (30)

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 28/08/2016 às 9:51
Leitura:
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O líder do Democratas, Ronaldo Caiado (DEM-GO), rechaçou a iniciativa de Senadores aliados da presidente afastada a dar a Dilma Rousseff uma pena branda com relação à perda de direitos políticos, caso o processo de impeachment seja aprovado nesta terça-feira (30). Oposicionistas também têm levantado a possibilidade de, se vier a ser consumada a perda de mandato por Dilma, que ela não perca os direitos políticos nem fique inelegível. Ouça a reportagem de Romoaldo de Souza:

O Senador Armando Monteiro (PTB-PE) negou qualquer acordo e afirmou que os argumentos da presidente afastada é que vão salvar o mandato de Dilma Rousseff. “Eu tenho certeza de que ela fará isso com aquilo que corresponde às suas próprias marcas pessoais, de maneira altiva, com firmeza e convicta das suas próprias razões”, disse.

Vencida a fase reservada para ouvir as 7 testemunhas, 5 de defesa e 2 de acusação, o penúltimo passo será o depoimento de Dilma Rousseff a partir das 9h desta segunda-feira (29). A votação final será feita no dia seguinte.

PRÓXIMOS PASSOS

Para que Dilma seja cassada, o relatório precisa ter pelo menos 54 votos dos 81 senadores. Neste caso, o presidente interino Michel Temer toma posse e assume o restante do mandato até 31 de dezembro de 2018. Caso a presidente afastada atinja 27 votos, o processo será arquivado e Dilma Rousseff reassume o mandato.

Mais Lidas