ENTREVISTA

Relator das pedaladas diz que Dilma foi vaidosa, soberba e autoritária

Ministro José Múcio fez duras críticas a Dilma e deu detalhes do processo em primeira mão

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 30/08/2016 às 10:09
Leitura:
Foto: Agência Brasil


Em entrevista ao quadro Passando a Limpo desta terça-feira (30) na Rádio Jornal, o Ministro do TCU, José Mucio, relator das Pedaladas Fiscais originais e das contas de 2015, comentou depoimento dado pela presidente afastada Dilma Rousseff na sessão de julgamento do impeachment no Senado, fez duras críticas à postura dela e detalhou informações em primeira mão a respeito das Pedaladas Fiscais. Ouça a seguir entrevista completa:

Questionado sobre como se sentia ao ver a defesa que Dilma fez no Senado, disparou "Eu não sei nem se eu poderia estar dizendo isso, mas nós estamos passando por uma crise de temperamento de uma pessoa claramente não vocacionada para a vida pública. Eu lamento muito a gente ter chegado nisso". Sobre a eleição da presidente Dilma ele ainda resumiu "ela foi fruto de uma estrutura montada pelo presidente Lula que a elegeu".

Ao comentar o comportamento da presidente afastada no caso das Pedaladas Fiscais, o ministro falou de vaidade, soberba, falta de humildade, excesso de autoridade e concluiu "ela resolveu enfrentar a área técnica da Controladoria do Governo e deu no que deu".

Ele acrescentou ainda que Dilma não aceita ser questionada, censurada e orientada. "Se ela tivesse humildade e dissesse que errou, talvez as coisas fossem diferentes. Mas, por mais doloroso que seja para a democracia, cometeu-se um crime e isso está na constituição. Quem está perdendo muito é a democracia brasileira" lamentou.

Na opinião do ministro, o Tribunal de Contas da União sai dessa história com o tamanho que ele tem de fato e agora mais conhecido pelas pessoas. E define: "O Tribunal de Contas tem um papel fundamental, é como o contador da empresa. Você não pode botar a culpa no contador pelo fato de sua empresa estar quebrada".

PEDALADAS FISCAIS

José Múcio detalhou o procedimento das Pedaladas e revelou dados em primeira mão: "Vou dizer uma coisa que não disse ainda a ninguém... O pessoal da equipe de advogados de Dilma só foi buscar as contas faltando três dias pra vencer o prazo, pediu mais 30 dias, o TCU deu, e quando ia vencer os 30 dias a AGU deu um documento dizendo que estava devendo a ela alguns documentos que não foram dados e precisava de mais 15 dias".

Mais Lidas