ENTREVISTA

Crise no Brasil faz piloto trocar Recife por Hong Kong

Piloto Pernambucano diz que Ásia está de olho no mercado brasileiro e só na empresa em que trabalha há 15 pilotos do país

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 14/09/2016 às 7:46
Leitura:
Foto: Arquivo Pessoal


O pernambucano Paulo Neto morava em Bairro Novo, na cidade de Olinda, Região Metropolitana do Recife. Uma semana atrás, Paulo trocou a base aérea de Pernambuco para Hong Kong, uma das maiores cidades da China, a convite da empresa aérea Hong Kong Express Airways. O piloto de aviões comerciais conversou com a Rádio Jornal e contou ter mudado de país atraído pela valorização salarial oferecida a pilotos de avião brasileiros na China.

Segundo o pernambucano, Hong Kong tem se interessado bastante por pilotos brasileiros, que ele afirma serem reconhecidos por terem boa formação. Somente na empresa em que ele trabalha, já são 15 brasileiros contratados. Ouça aqui a entrevista completa do piloto com Geraldo Freire, Wagner Gomes, Ivanildo Sampaio e Maria Luiza Borges:

BRASILEIROS NA CHINA

O pernambucano resume as dicas para pilotos que tenham interesse em seguir carreira internacional e mirar no mercado chinês em três passos: formação, experiência e inglês. "No Brasil há cursos superiores de Ciências Aeronáuticas, o que é uma qualificação maior e um bom começo. Também é essencial a experiência adquirida para voar em aeronaves mais pesadas e saber inglês, pois sem inglês você não vai pra canto nenhum", resume.

Foto: Arquivo Pessoal

Paulo conta ainda que um comandante pode ser contratado na China com um salário mensal de até 20 mil dólares e declara "com a crise que a gente vive no Brasil, o país está perdendo muitos pilotos qualificados para o exterior". Sobre os impactos da mudança, o piloto conta que o mais difícl é o choque cultural. Na cidade, se fala cantonês, uma língua semelhante ao mandarim antigo e de difícil aprendizado. Mas, como a cidade foi colônia inglesa, a comunicação em ingês é bem fácil.

Sobre terrorismo, Paulo diz que há medo sim, mas que, na China, não é tão relevante. "No caso do Oriente Médio há o cuidado com o terrorismo, mas o que mais impacta é o aspecto cultural mesmo", disse.

Mais Lidas