ENTREVISTA

"Denúncia contra Lula não precisa de provas, só de indícios", diz jurista

Jurista José Paulo Cavalcanti rebate criticas de que denúncia contra Lula carece de provas

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 21/09/2016 às 9:41
Leitura:
Foto: JC Imagem


Em entrevista ao quadro Passando a Limpo desta quarta-feira (21) o jurista José Paulo Cavalcanti voltou a defender a aceitação da denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra o ex-presidente Lula. Diferente do que defenderam outros juristas, que questionaram a ausência de provas na denúncia, José Paulo foi taxativo ao dizer que "uma denúncia não precisa de provas, ela precisa de indícios e indícios há. As denúncias são sempre curtas, breves fisicamente, trazem indícios que são suficientes ou não pra abrir um processo. As provas se fazem no processo, ouvindo testemunhas", declarou.

O jurista critica a opinião de outros comentaristas que tem destacado também o fato da denúncia ter sido feita de forma espetacularizada. "A maioria dos opinadores viu a televisão e não leu o texto, já eu li o texto e nao vi a televisão. Pelo texto eu sabia que era impossível Moro não aceitar. Só no fim do processo vamos saber: se ele tiver culpa vai ser condenado, se for inocente vai ser declarado", concluiu.

Citando Renan Calheiros, que chamou operação Lava Jato de "exibicionismo" o jurista arrematou: "Renan é a pessoa menos qualificada do país pra falar de uma operação dessas. Ele vai ser réu qualquer hora dessas".

José Paulo Cavalcanti saiu ainda em defesa do juiz Sério Moro, que ele acredita não ter qualquer interesse pessoal no julgamento, disse que ele não é apressado e "julga com extrema cautela".

Confira aqui a entrevista completa do jurista à bancada composta por Geraldo Freire, Wagner Gomes, Jamildo Melo e Ivanildo Sampaio onde ele detalha inclusiva o roteiro do que deve acontecer se Lula foi declarado culpado.

OAB Pernambuco

Já o presidente da OAB-PE, Ronnie Duarte, também em entrevista ao quadro Passando a Limpo desta quarta (21), quando perguntado sobre seu posicionamento diante da aceitação da denúncia contra Lula pelo Juiz Sérgio Moro, declarou que não leu os autos, mas opinou que a apresentação da denúncia de fato "foi uma espetacularização" e alega que é preciso ter mais cuidado. "Vejo com muita reserva essa espetacularização das denúncias feitas pelo MPF e até que haja efetiva culpa formada é importante que os acusados que ainda não são culpados tenham a imagem preservada", concluiu

Mais Lidas