OPERAÇÃO

Desvio de verba pública pode chegar a R$ 11 milhões em Itamaracá

O prefeito de Itamaracá, Paulo Batista Andrade, é o principal suspeito de articular a fraude na gestão do lixo na cidade

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 06/10/2016 às 15:47
Leitura:
Foto: Reprodução/ TV Jornal

Na investigação conduzida pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Polícia Civil ficou constatado em um documento de mais de 100 páginas, apresentado nesta quinta-feira (6), um esquema de fraude e desvio de dinheiro público em Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife.

De acordo com o promotor de Justiça, Frederico Magalhães, pelo menos R$ 11 milhões foram pagos e empenhados pela gestão do prefeito Paulo Batista Andrade no pagamento a quatro empresas de fachada que prestavam serviços coleta do lixo em Itamaracá.

Nos últimos cinco meses foram apontadas inúmeras irregularidades com a participação de irmãos, sobrinhos do prefeito e empresários que apresentavam patrimônios que não condizem com o volume de recursos recebidos.

Cristiano Pimentel, procurador geral do Ministério de Contas do Estado, detalha o esquema operado entre 2013 e 2016. “Os caminhões eram cedidos a essas empresas de fachada em nome de familiares do prefeito. Irmão do prefeito era o Secretário de Infraestrutura, que detinha esses contratos”, contou. “Um dos veículos de grande porte estava em nome do filho do secretário, sobrinho do prefeito”, completou.

Confira os detalhes na reportagem de Rafael Carneiro:

De acordo com a investigação, os documentos coletados nas buscas e apreensões ainda estão sendo analisados. O próprio prefeito e mais nove pessoas sofreram mandados de condução coercitiva. Paulo Batista Andrade (PTB) informou no depoimento que 13 veículos e três tratores de familiares foram agregados para efetuar a limpeza das ruas.

Defesa

O advogado Gustavo Aguiar, que representa a V2 Ambiental citada no esquema, falou em nome da empresa. “A empresa trabalha corretamente, é uma empresa próspera, íntegra, que tem todos os seus contratos públicos muito bem assessorados”, defendeu.

Paulo Batista Andrade prefeito em exercício em Itamaracá, citado na Operação Itakatu foi procurado e não respondeu até o fim desta reportagem.

Mais Lidas