RECONSTITUIÇÃO

PM acusado de homicídio recusa participar de reconstituição em Escada

O crime aconteceu em junho de 2015, quando o sargento Miguel Furtado foi acusado de matar o adolescente Marcelo Laureano Filho. A reconstituição do crime aconteceu nesta quarta (5)

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 06/10/2016 às 8:17
Leitura:
Foto: Reprodução/Facebook

O sargento da Polícia Militar Miguel Furtado de Souza, de 51 anos, acusado de assassinar o adolescente Marcelo Laureano Gomes Filho em junho do ano passado, não participou da reconstituição do crime na noite desta quarta-feira (5), em Escada. Miguel atuava na Companhia Independente de Operações na Caatinga (CIOSAC) e foi afastado das atividades após ser acusado de disparar um tiro de fuzil contra o adolescente, que tinha 16 anos.

Segundo informações, o adolescente dirigia o carro do pai, onde estava com o irmão e mais dois amigos. Ao passar pelos policiais, recebeu a ordem de parar, e diante da negativa, foi atingido com um tiro na cabeça. De acordo com familiares, Marcelo não tinha habilitação e ficou assustado com a chegada dos PMs. O crime aconteceu na Rua Comendador José Pereira, em Escada. Guilherme de Oliveira Gomes, irmão da vítima, continua abalado com a violência:

ACUSADO NÃO INFORMOU MOTIVO DE NÃO COMPARECIMENTO

A reprodução simulada desta quarta-feira (5) foi solicitada pelo juiz e o promotor do processo. A equipe da Polícia Civil refez o cenário do fato a partir de depoimentos de testemunhas e do acusado, que não participou do evento nem informou o motivo da ausência. Mesmo assim, a Polícia realizou a reconstituição e o resultado será conhecido em dez dias. Para a delegada Gleide Ângelo, responsável pelo caso, o relato de tropeço do PM para ocorrer o disparo do fuzil não se sustenta:

O perito do Instituto de Criminalistica, Gilmario Lima, preferiu não antecipar as conclusões:

LEIA TAMBÉM

"Ele matou meu bebê", diz pai de estudante morto por policial militar com tiro de fuzil em Escada

Mais Lidas