JUSTIÇA

Audiência de instrução do caso da morte do professor Betinho é adiada

Professor Betinho foi encontrado morto em maio de 2015. Audiência de instrução foi remarcada para 16 de dezembro

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 24/10/2016 às 14:29
Leitura:
Foto: Reprodução/ Internet


A audiência de instrução sobre o caso da morte do professor Betinho, que estava marcada para a tarde desta segunda-feira (24), foi adiada. A audiência aconteceria no Fórum Rodolfo Aureliano, no bairro da Joana Bezerra, na área central do Recife.

No entanto, além de Ademário Gomes da Silva Dantas, um dos suspeitos de envolvimento na morte do professor Betinho, o delegado responsável pelo inquérito, Alfredo Jorge, deveria acompanhar o suspeito. O delegado e um perito aposentado, que foi um técnico nomeado pela defesa, Adamastor Nunes, não puderam comparecer.

Os dois foram convocados pela Justiça para depor no caso do promotor de Itaíba, Thiago Farias. O júri popular acontece também nesta segunda-feira, desde a manhã na sede da Justiça Federal em Pernambuco.

As irmãs de Betinho e o acusado, Ademário, que está acompanhado do advogado e do pai, estão no fórum, mas a audiência foi adiada para o próximo dia 16 de dezembro, como explicou o juiz que iria presidir a sessão, Jorge Luiz dos Santos Henriques.

Após as partes serem ouvidas, os ouvidos têm cinco dias para apresentar novas informações e daí o juiz decidir ou não, se o caso vai a júri a popular.

Os detalhes no flash de Juliana Oliveira:

Relembre o caso

O professor Betinho foi encontrado morto no mês de maio de 2015. De acordo com a polícia, os responsáveis pelo crime são dois alunos da escola onde Betinho trabalhava como coordenador pedagógico, o Colégio Ágnes.

O Instituto de Medicina Legal apontou ainda que Betinho foi torturado antes de ser morto. O delegado aponta como a polícia chegou até os estudantes.

Ademário Dantas, de 21 anos, que é filho do diretor do colégio, vai responder na justiça por homicídio qualificado e teve a prisão preventiva decretada pela justiça. Já o outro suspeito, um adolescente de 17 anos, teve o procedimento encaminhado para a Vara da Infância e Juventude e deve responder o ato infracional em reclusão.

Segundo o delegado Alfredo Jorge, as impressões digitais do adolescente foram encontradas na arma do crime, um ferro de passar roupa, e no ventilador que teve o fio usado para amarar o pé da vítima. As digitais do Ademário Dantas foram encontradas na sala do apartamento de Betinho.

Mais Lidas