ENTREVISTA

Prova do Enem que for cancelada por conta de ocupações pode passar para dezembro

Segundo Ministro da Educação, Mendonça Filho, é possível que nova prova para os alunos prejudicados seja realizada no início de dezembro, data em que exame é aplicado para detentos

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 01/11/2016 às 9:56
Leitura:
Foto: Arquivo/JC imagem


Em todo o País, cerca de 2% dos locais de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que estiverem ocupados por manifestantes, terão as provas canceladas e repassadas para uma nova data. Em entrevista ao quadro Passando a Limpo da Rádio Jornal desta terça-feira (1º) o Ministro da Educação, Mendonça Filho, adiantou que é possível que os estudantes prejudicados realizem o Exame na mesma data que a prova é aplicada para pessoas que estão em hospitais e estudantes privados de liberdade, que é prevista para 6 e 7 de dezembro.

"Essa foi uma das possibildiades levantadas, essa segunda prova ja está elaborada, com o mesmo nivel de dificuldade e equivalência. A data nós vamos fixar logo mais em reunião no início da tarde. O Inep deve divulgar onde não ocorrerá a aplicação do exame e remarcar a prova para o início de dezembro", diz ministro. Ouça aqui a entrevista completa:

A lista dos locais de prova que terão o exame cancelado e a data oficial do novo exame vai ser divulgada em coletiva de imprensa às 14h, no horário local. Segundo o ministro, são cerca de 300 escolas com ocupações e 80% delas estão no estado do Paraná. Ocupações ocorrem em forma de protesto contra a PEC do teto dos gastos, que limita os gastos do Governo Federal pelos próximos 20 anos, e parte delas contra a proposta de reforma do Ensino Médio.

Em Pernambuco, 17 locais de prova estavam estavam ocuados até a manhã desta terça. Mais de 15 mil candidatos podem ser atingidos pelo cancelamento.

»Enem deve ser adiado para 15 mil feras de Pernambuco

»"Enem será cancelado em instituições ocupadas por manifestantes", diz ministro

Mendonça voltou a dizer que não impede os protestos, pedir o bom senso dos manifestantes e alegar que há interesses políticos por trás das manifestações. "Quero dizer que respeito democraticamente qualquer proteso, agora o direito de protesto não pode impedir as pessaos de ir e vir e muito menos de estudar, que é um direito constitucional extremanete relevante. Agora alguns grupos estão utilizando desse movimento contra PEC 241 - que não interfere na educação - para manter uma bandeira acesa de uma minoria que inclusive foi derrotada nessas eleições" e confima "a gente não vai adotar nenhuma medida de força, apenas de bom senso pra permitir que outros estudem e tenham liberdade".

SOBRE O POSICIONAMENTO DE REITORES

Questionado especificamente sobre os prédios de instituições federais que estão ocupados por protestos, especialmente as Universidades Federais e se cobraria dos reitores, Mendonça lembra que as reitorias são definidas a partir da chamada autonomia universitária e eleitos pela própria comunidade universitária. "Eu sei que cada um tem a sua responsabilidade, inclusive de preservação do espaço público e da integridade das pessoas. Cada reitor tem ciência da sua responsailidade legal, de sua autonomia e sua missão a cumprir, como o acesso ao direito da educação. Com relação à manifestação política de algum reitor, a gente respeita, só pedimos que isso não interfira na sua missão de dirigente universitário. Agora quem cobra isso é a propria Advocacia Geral da União (AGU), pra que tudo ocorra dentro da base legal".

Mais Lidas