ACIDENTE

Passageiros responsabilizam motorista por acidente de ônibus

O ônibus que saiu de Arcoverde seguia para São Paulo quando capotou em uma ribanceira em Poções, na Bahia.

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 30/12/2016 às 1:39
Leitura:
De acordo com sobreviventes o õnibus teria capotado cerca de quatro vezes. Foto: reprodução / Poções24hs

"Ele cochilou, ele vinha com sono, toda hora correndo. [...] Por quê não parou?", indagou Maria da Graças Alves de Andrade (43), ela estava no ônibus que capotou em uma ribanceira na BR-116 no município de Poções, no sudoeste da Bahia por volta das 4h30 da madrugada da quinta-feira (29). O veículo que saiu do Município de Arcoverde, no sertão pernambucano seguia rumo à São Paulo. No acidente, o marido de Maria da Graças, o jogador aposentado Maurílio Melo de Andrade (47) morreu na hora.

A sobrevivente afirma que não recebeu nenhum apoio da empresa Cida Turismo, que fazia o transporte das 50 pessoas que estavam no ônibus. "A empresa não está dando suporte a mim de forma nenhuma", explicou.

No momento do acidente, o veículo transportava crianças, jovens, adultos e Idosos. Foto: reprodução / Poções24hs

A pernambucana que mora em São Paulo, veio à Pesqueira, no agreste do estado com a família para batizar a filha de seis anos. O acidente ocorreu na volta para a capital paulista, no trecho da pista no sentido Vitória da Conquista. De acordo com Maria da Graças o corpo de Maurílio Melo vai ser trazido para Pernambuco onde será enterrado neste Sábado.

Ouça na íntegra, o depoimento de Maria da Graças concedido à Rádio Jornal:

Gabriel dos Santos Palmeira de Oliveira filho da sobrevivente Ivanilda dos Santos Pereira (45) foi levado em estado grave para o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC) com um rompimento no fígado. Ela confirma que o motorista fez desvios na pista antes de perder o controle do veículo. "Antes dele (o veículo) capotar pela primeira vez, ele tombou, aí os passageiros do ônibus pediram para que ele (o motorista) parasse. Ele disse: 'não, dá para levar' [...] Se ele estava com sono ele tinha que passar o carro para o outro motorista", descreveu Ivanilda. Ela afirma que a empresa proprietária do ônibus ofereceu suporte para a família.

Ouça na íntegra, o depoimento de Ivanilda dos Santos concedido à Rádio Jornal:

As vítimas em estado mais grave foram levadas para o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC). Foto: reprodução / Poções24hs

Mais Lidas