ECONOMIA

Consumidor precisa redobrar a atenção na compra do material escolar

Pesquisa do Procon aponta variação 100% no preço de itens da lista. Escolas não podem cobrar por material de uso coletivo como resma de papel e shampoo

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 03/01/2017 às 8:39
Leitura:
Foto: Arquivo/Agência Brasil


Neste período de férias e com a procura por materiais escolares, o Procon Pernambuco orienta os pais na hora das compras. A última pesquisa realizada em dezembro constatou que mais de 35 itens tiveram aumento em relação a 2015.

O giz de cera teve um reajuste de 55,67%. Porém, segundo a pesquisa, em comparação com 2015, o preço da massa de modelar caiu. Tiveram queda no preço também a tesoura sem ponta, a agenda escolar e a lancheira. Saiba mais na reportagem de Aracely Nóbrega:

Dos 80 produtos avaliados, a massa de modelar com seis unidades teve variação de 100% de uma loja para outra, com preços de R$ 2,50 em um estabelecimento, para R$ 5,00.

» Saiba o que é permitido e proibido na lista de material escolar

O gerente de fiscalização do Procon Estadual, Roberto Campos, alerta pais e responsáveis para economizarem. O gerente orienta também sobre os itens que não podem ser cobrados pela escola, como pasta de dente, papel higiênico, shampoo, pincel, giz branco, copos e pratos descartáveis.

A orientação do Procon inclui também observar se o material do próprio aluno ou de algum familiar pode ser reutilizado, além de evitar levar a criança à loja para não gastar mais que o necessário. A próxima pesquisa deve ser realizada dentro de 15 dias pelo órgão.

Denúncias

Caso o consumidor se sinta lesado o telefone do Procon Pernambuco no 0800 280 1512.

Mais Lidas