Com mais policiamento, prévias de carnaval fervem ladeiras de Olinda

Foliões afirmam que o clima nas prévias de Olinda foi "tranquilo" neste domingo e que não foram registrados arrastões. Ambulantes denunciam abusos na fiscalização e comércio irregular de garrafas de vidro

CARNAVAL 2017

Rádio Jornal

Foto: Claroline Santos/Rádio Jornal


A movimentação de foliões nas prévias de carnaval que acontecem nas ladeiras e ruas do Sítio Histórico de Olinda é intensa neste domingo (29) e, até o momento, sem registro de tumultos. Mesmo assim, ninguém está completamente tranquilo. No domingo da semana passada, dia 22, moradores e foliões relatam terem vivido momentos de pânico durante arratões e brigas na cidade.

[uolmais_audio 16126305]

Foto: Claroline Santos/Rádio Jornal


O folião Antônio Ferreira afirma que, depois dos tumultos registrados, notou um aumento no policiamento e "até agora está tranquilo". Já para o olindense Abelmir Francisco da Silva, a segurança ainda está abaixo do esperado. "Tem que reforçar o policiamento. Você vê ao redor que não tem um policial. os guardas que estavam por aqui depois se saíram", afirma.

» Olinda vai ter micro-ônibus de monitoramento nas prévias de Carnaval
» Moradores denunciam violência nas prévias carnavalescas de Olinda
» Rodoviários ameaçam suspender circulação de ônibus durante prévias
» Você se sente seguro para aproveitar prévias do carnaval em Olinda?

Abordagens violentas

Já os comerciantes da cidade afirmam que a fiscalização da Prefeitura está sendo muito intensa e que as mercadorias estão sendo recolhidas. Os ambulantes alegam que foram cadastrados e recebram crachás com identificação e pontos fixos de vendas, mas, mesmo cumprindo as exigências da organização, estão sendo desrespeitados. "Nós não estamos podendo trabalhar por conta da fiscalização da Prefeitura. De frente eles colocam um coronel que é pra amedontrar o povo. Eles querem que a gente fique tudo amontoado um beco, num canto só, e não dá pra trabalhar assim", diz a comerciante Maria do Carmo Soares da Costa, que sempre trabalha na Rua do Bonfim durante o carnaval.

O fiscal urbano Paulo Ricardo justifica as apreensões como sendo "ordens superiores". "A gente está vendo os lugares dos pontos certos. Quem estiver no lugar errado, a gente está pegando os crachás e prendendo", diz. Sobre os matariais apreendidos, Paulo afirma que ainda não está sabendo o valor, mas que é paga uma taxa para a devolução da mercadoria aprendida.

Garrafas de vidro

Foto: Claroline Santos/Rádio Jornal


Ainda de acordo com o fiscal, o comércio de bebidas em garrafas de vidro é proibido durante o carnaval e as prévias, exceto se o consumo for realizado dentro dos bares. Mesmo assim, a reportagem da Rádio Jornal identificou alguns bares comercializando bebidas fora dos estabelicimentos.

O resultado são vários becos com garrafas espalhadas pelas calçadas, no meio do lixo. De acordo com moradores, o material foi utilizado pelos grupos que promoveram os arratões na cidade nos últimos finais de semana.

TAGS

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

CONTINUE LENDO