POLÍCIA FEDERAL

Presos por coagir testemunhas de casos de pedofilia estão no Cotel

Dois homens foram presos em uma operação da Polícia Federal, que investiga pessoas envolvidas com crimes de pedofilia na internet

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 22/03/2017 às 16:06
Leitura:

Imagem

Duas pessoas foram presas por coagir testemunhas de casos de pedofilia, nesta quarta-feira (22), pela Polícia Federal. A operação denominada Help 4 é mais um desdobramento de investigações de pessoas envolvidas com crimes sexuais envolvendo crianças e adolescentes na internet. Os agentes foram até o bairro dos Torrões, na Zona Oeste do Recife, cumprir o mandado de prisão preventiva contra os dois suspeitos, mas só um foi encontrado.

Na procura pelo segundo alvo, a polícia foi até o local de trabalho dele, o hospital IMIP, na Rua dos Coelhos, no bairro da Boa Vista, na área central do Recife. Giovani Santoro, que é chefe de comunicação da Polícia Federal em Pernambuco, explica porque os suspeitos foram presos. “No percurso de algumas investigações nós detectamos que esses dois suspeitos estavam intimidando testemunhas no decorrer do processo, estavam fazendo com que elas não pudessem depor e isso é crime”, disse.

Confira os detalhes na reportagem de Erick França:

No final da manhã, o funcionário do IMIP se apresentou espontaneamente na sede da Polícia Federal em Pernambuco. A presença da polícia no hospital causou alvoroço entre pacientes e funcionários.

Porém, Giovani Santoro ressalta que o IMIP não tem nada a ver com a conduta do preso. “Isso é um ponto que a gente precisa realmente deixar bem claro. O IMIP não tem nenhum envolvimento ou participação na conduta criminosa desse suspeito. Tanto é que dentro do computador dele existiam imagens ou vídeos de pornografia infantil”, destacou. “Também a nossa investigação não apontou que ele estaria aliciando crianças dentro do IMIP. O IMIP é uma instituição séria”, apontou Giovani.

IMIP se posiciona

Em nota, o IMIP disse que estava surpreso com a notícia do envolvimento de um funcionário com pedofilia. A instituição não compactua com esse tipo de comportamento. O IMIP ainda ressaltou que a rede de internet do hospital é protegida contra conteúdos impróprios, como pedofilia, e se coloca à disposição para o que a polícia federal necessitar e tomar as medidas cabíveis ao caso.

Os dois pesos foram conduzidos para o Centro de Triagem Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima.

Mais Lidas