ECONOMIA

Carne Fraca: Após denúncias, consumidor pernambucano está temeroso

Operação Carne Fraca mostrou que empresas pagavam propina para fiscais agropecuários federais liberaram alimentos com diversas irregularidades

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 24/03/2017 às 13:58
Leitura:

Imagem

O consumidor pernambucano está temeroso quanto ao assunto é comprar carne. Tudo isso por que a Operação Carne Fraca deflagrada há uma semana pela Polícia Federal, desarticulou uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio que emitiam certificados sanitários adulterados para empresas como a BRF, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e JBS, que detém as marcas Friboi, Seara e Swift.

Gravações captadas pela Polícia Federal na Carne Fraca mostram que as empresas usavam produtos químicos e fora da validade na comercialização das carnes. Há também registros de casos em que carnes foram moídas junto com papelão e linguiças feitas com cabeça de porco.

O diretor presidente da empresa pernambucana Masterboi, Nelson Bezerra, afirma que a queda da venda da carne bovina nos supermercados é inevitável.

Confira os detalhes na reportagem de Henrique Santos:

A carne de aves e bovinos produzida em Pernambuco também é exportada para outros países como Hong Kong, China e Coreia do Sul. Questionado sobre o embargo desses países em relação à carne brasileira, o presidente detalha que o Governo Federal vem auxiliando os empresários em relação a repercussão negativa da operação no mercado internacional.

Em relação a carne de aves, o presidente da Associação Avícola de Pernambuco (Avipe), Edval Veras, detalha como é feita a produção desse gênero alimentício no estado.

Ministério da Agricultura

De acordo com números do Governo Federal, de 4.837 unidades frigoríficas sujeitas à inspeção federal, apenas 21 estão supostamente envolvidas em eventuais irregularidades, enquanto dos 11 mil funcionários do Ministério da Agricultura denunciados na Operação Carne Fraca, apenas 33 estão sendo investigados.

Mais Lidas