COMBATE

Pernambuco tem mais de 4 mil novos casos de tuberculose por ano

No Dia Mundial de Combate à Tuberculose, doença ainda é negligenciada no Estado

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 24/03/2017 às 10:19
Leitura:

Imagem

24 de março é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, doença que registrou 10 milhões de novos casos no mundo em 2016, matando 10% do universo total de pacientes. A situação em Pernambuco não é nada boa: são mais de 4 mil novos casos por ano no Estado, que apresenta quase o dobro da média de mortalidade da doença em todo o Brasil.

O Governo do Estado preparou uma programação para conscientizar profissionais da saúde a toda a população. Durante a manhã desta sexta-feira (24), foi realizada uma série de seminários no auditório de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco, em Santo Amaro, sobre os aspectos clínicos da doença.

De acordo com a gerente de Micobactérias da Secretaria Estadual de Saúde, Daniele Travassos, Pernambuco tem 4.600 novos casos de tuberculose por ano, com uma média de 400 óbitos. O Estado é o terceiro do País em incidência da doença, e o segundo em mortalidade. Ela ressalta que a doença tem cura e o tratamento é gratuito, feito pelo Serviço Único de Saúde (SUS).

Ouça a reportagem de Rafael Carneiro:

Cuidados com a doença

Pelo Dia Mundial de Combate à Tuberculose, a Rádio Jornal entrevistou o pneumologista Blancard Torres. Ele alerta para a emergência da gravidade da tuberculose no estado: "A tuberculose está muito presente no nosso estado e o Recife está entre os lugares onde mais se morre por tuberculose", afirmou.

O médico alerta ainda que a doença precisa ser diagnosticada o mais rápido possível: "as comunidades mais pobres são as que mais sofrem. As pessoas não procuram os postos porque não são bem atendidas e o tratamento que tem que ser feito até o final, por seis meses". alertou.

O profissional de saúde ainda elenca os principais sintomas, como a tosse por mais de duas semanas ou mais. Já no caso das crianças, a vacina é a única prevenção possível.

Ouça a entrevista completa:

Mais Lidas