SEGURANÇA

Mortes na Funase foram causadas por agentes, diz secretário

Secretário de Juventude Roberto Franca pede apuração sobre mortes de quatro reeducandos nos últimos dias. Governo promete melhorias na unidade

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 05/04/2017 às 14:20
Leitura:

Imagem

O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Roberto Franca cobrou nesta quarta-feira (05) apuração rigorosa sobre as mortes de quatro detentos nos últimos dias na Funase de Vitória de Santo Antão. De acordo com ele, a suspeita é que agentes penintenciários estariam envolvidos no caso.

"O que houve foi uma participação direta de funcionários na provocação daquelas mortes. Pedimos ao secretário da SDS (Secretaria de Defesa Social - Angelo Fernandes Gioia) a destinação de um delegado especial para apuarar até as últimas consequênmcias o que aconteceu ali. Não havia confilto entre grupos", afirmou.

Atualmente, 1348 jovens estão internados nas 25 unidades da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) em Pernambuco. São 209 internos a mais do que a capacidade da instituição, que oferece espaço para 1139 pessoas. A superlotação e as três mortes registradas no último domingo (2), depois de um tumulto dentro da Funase de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, resultaram no plano de ação a curto prazo, elaborado pelo Governo do Estado, divulgado nesta quarta-feira.

Além da investigação sobre as mortes dos adolescentes em vitória, o projeto prevê o investimento de R$ 73 milhões na construção de três novas unidades. De acordo com secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Roberto Franca, diz que a rebelião no domingo teria sido provocada por funcionários do local.

Imagem

Confira os detalhes na reportagem de Clarissa Siqueira:

Resposta à situação

Os 28 técnicos aprovados em concurso no ano de 2013 devem começar a trabalhar ainda este mês. Outra medida do plano é a conclusão das obras no Centro de Gestão de Vagas no Recife, na Avenida Abdias de Carvalho, bairro do Bongi. As obras estão atrasadas, mas o prédio deve ser concluído até o mês de novembro deste ano, como garante a presidente da Funase, Nadja Alencar.

Nesta quinta-feira (6) um grupo se reúne na unidade de Abreu e Lima para colocar em prática o projeto Semeando uma Cultura de Paz, com objetivo de humanizar os trabalhos na Funase.

Mais Lidas