GUERRA

Ataques dos EUA contra inimigos são comuns para conseguir popularidade

De acordo com cientista político, presidentes americanos já utilizaram desse artifício para aumentar popularidade

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 07/04/2017 às 11:06
Leitura:

Imagem

Após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, determinar um ataque-surpresa contra o Exército sírio, os olhos estão voltados para a possiblidade de uma guerra. O cientista político e especialista em Relações Internacionais, Thales Castro, acredita que a situação é incerta. “A dimensão que essa potencial guerra vai tomar, nós não sabemos ainda efetivamente, mas certamente gerou uma situação muito delicada para aquele tabuleiro de xadrez”, afirma. De acordo com a Casa Branca, o lançamento de mísseis foi em resposta ao ataque químico que matou mais de 80 pessoas na Síria. Para Thales Castro, isso gerou uma comoção mundial e a opinião pública internacional clamava por uma ação enérgica e incisiva. Ouça a entrevista completa:

Popularidade

O cientista político Thales Castro explica que a fórmula de atacar inimigos para conseguir popularidade é muito repetida na Casa Branca ao longo da história política americana. Em 1991, o então presidente George Bush, utilizou a Guerra do Golfo para tentar ser melhor aceito pela população.

Mais Lidas