INVESTIGAÇÃO

Mãe de jovem envenenada acredita que ex-genro envenenou família

Nove pessoas de uma mesma família foram envenenadas durante almoço do Dia das Mães. O principal suspeito do crime está foragido

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 16/05/2017 às 17:03
Leitura:

Imagem

Pelo menos cinco parentes de Débora Soares, primeira vítima internada depois de apresentar sintomas de envenenamento, foram ouvidos na Delegacia de Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, nesta terça-feira (16). A mãe da jovem, que também foi ouvida, disse que acredita que o principal suspeito de praticar o crime contra a família é o ex-namorado de Débora.

Nove pessoas foram socorridas para hospitais da Região Metropolitana do Recife e submetidas a diversos exames. Três delas já receberam alta. O resultado do exame de sangue feito pela Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária comprova a contaminação por pesticida.

A polícia acredita que chumbinho tenha sido usado no crime, fato que só pode ser atestado com o laudo do Instituto de Criminalística. A polícia acredita ainda que o veneno foi colocado no colorau, tempero utilizado na refeição servida para a família durante a comemoração do Dia das Mães.

As irmãs do suspeito também foram ouvidas nesta terça-feira pela polícia. Uma delas teria se apresentada espontaneamente na Delegacia de Camaragibe.

A delegada responsável pelo caso, Euricélia Nogueira, deixou claro que outras pessoas podem ser chamadas para prestar esclarecimentos.

Confira as informações no flash de Diandra Monteiro:

Relembre o caso

Imagem

Nove pessoas da mesma família passaram mal após um almoço em comemoração ao Dia das Mães, no último domingo (14),
na comunidade Sítio dos Macacos, no município de Camaragibe.

O envenenamento teria sido provocado pelo ex-namorado de uma das vítimas. De acordo com a polícia, o suspeito teria
misturado um produto para matar rato, conhecido popularmente como chumbinho, no tempero utilizado na preparação das
refeições, o colorau que estava na cozinha da casa da família. Duas horas após terem almoçado as vítimas apresentaram os
mesmos sintomas.

O homem que teria praticado o crime foi identificado pelos familiares da moça com o nome de Kiko. Segundo um parente de
Débora, que mora vizinho a casa dela, e que por pouco não participou do almoço, o suspeito não aceitava o fim do
relacionamento com a jovem e por isso havia prometido vingança.

Ainda de acordo com familiares, o suspeito teria entrado na casa de Débora Dias antes do crime, como relatou Reginaldo Francisco tio da vítima.

Mais Lidas