INVESTIGAÇÃO

PF deflagra operação contra fraudes em aposentadorias no Cabo

Segundo a PF, uma organização criminosa é responsável por fraudar inúmeros benefícios previdenciários e aposentadorias rurais.

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 09/08/2017 às 7:22
Leitura:

Imagem

A Polícia Federal em Pernambuco (PF-PE) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (8), a 'Operação Insistência' para desarticular uma organização criminosa que se instalou no município do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, responsável por fraudar inúmeros benefícios previdenciários e aposentadorias rurais.

Desde às 6h, 120 policiais federais e servidores do INSS estão dando cumprimento a dois mandados de prisão preventiva, 18 Conduções Coercitivas e oito de busca e apreensão nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e no bairro de Brasília Teimosa no Recife, com o objetivo arrecadar e apreender material comprobatório para subsidiar as investigações que estão em andamento.

As investigações tiveram início em 2015, quando foi descoberto que um servidor do INSS estaria cometendo uma série de graves irregularidades. Em 12 meses a APS do Cabo concedeu 1.527 benefícios enquanto a APS de porte semelhante concedeu apenas 139. Levantamentos feitos pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária do Ministério da Fazenda aponta o respectivo servidor é o maior concessor de benefícios rurais do estado de Pernambuco. Estima-se que o valor do prejuízo dado aos cofres públicos chegue a quase 22 milhões de reais.

Presos responderão por estelionato

As pessoas conduzias coercitivamente e os presos serão levados para a sede da Polícia Federal onde serão indiciados e responderão pelos crimes na medida de sua participação tais como: estelionato cometido contra entidade de direito público, com pena de um a cinco anos de reclusão; inserção de dados falsos no sistema de informações, com pena de dois a seis anos de reclusão; falsificação de documento público, com pena de dois a seis meses de reclusão e corrupção passiva com pena de 2 a 12 anos de reclusão. As penas somadas chegam a 29 anos de reclusão.

O nome da “Operação Insistência” se deu pelo fato do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Cabo de Santo Agostinho continuar no esquema fraudulento de concessão de benefícios mesmo após a deflagração da Operação Manager que aconteceu no dia 12/09/2016. Coletiva de imprensa será concedida às 10h na sede da Polícia Federal onde serão fornecidos maiores detalhes sobre as investigações.

Mais Lidas