Entrevista

Dois mil funcionários recebendo R$ 60 mil não é normal, diz ministro ao defender privatização da Eletrobrás

Fernando Filho (PSB) falou sobre o processo de privatização da Eletrobrás e da Chesf durante o Passando a Limpo

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 25/08/2017 às 10:24
Leitura:

Imagem

O ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB-PE), afirmou que não é normal uma empresa como a Eletrobrás pagar cerca de R$ 60 mil a mais de dois mil funcionários. Em entrevista à Rádio Jornal, na manhã desta sexta-feira (25), o político falou sobre o processo de privatização da empresa geradora de energia, que já teve o plano de desestatização aprovado.

>>É um crime contra o Nordeste, diz ex-deputado do PT sobre privatização da Chesf

>>Baratear conta de luz é defesa do governo para privatizar Eletrobras

"A Chesf e a Eletrobrás continuarão desempenhando suas funções, só que com um operador privado, muito mais eficiente. Você acha que é normal uma empresa como a Eletrobrás ter mais de R$ 32 bilhões de prejuízo? Você acha que é normal uma empresa como a Eletrobrás ter dois mil empregos recebendo R$ 60 mil? Eu não acho", disse Fernando Filho.

Ouça a entrevista de Fernando Filho na íntegra

Fernando Filho também revelou um plano de revitalização para o Rio São Francisco. Segundo o ministro, será estabelecida uma lei que garante recursos para revigorar o rio.

"O que vai acontecer com a Chesf, e será anunciado pelo presidente, será o maior programa de revitalização de um rio já visto no Brasil. Vamos colocar em lei que um percentual dos benefícios gerados será revertido para a revitalização do rio. Isso não é um programa de um governo ou uma administração, será durante o tempo de concessão da usina, 30 anos de revitalizações seguidas. Esse vai ser o papel da Chesf do futuro. O papel da Chesf do futuro também será tocar os seus investimentos, mas agora com um controlador privado", concluiu o ministro.

Ouça o Passando a Limpo na íntegra

Mais Lidas