CORRUPÇÃO

TRF5 diz que desconhece irregularidades apontadas em operação da Polícia Federal

Operação Alcmeon desarticulou esquema no TRF5 de negociação para liberar presos e bens materiais apreendidos em ações penais

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 30/08/2017 às 16:27
Leitura:

Imagem

está em liberdade o ex-servidor público estadual, um desembargador de 58 anos que foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (30) durante a Operação Alcmeon deflagrada em conjunto com o Ministério Público do estado do Rio Grande do Norte.

O homem, que não teve o nome divulgado, foi abordado pelos policias dentro do apartamento onde mora no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, por volta das 6h. De acordo com investigações, o ex-servidor faz parte de um grupo de criminosos que envolve advogados e um desembargador. Os acusados negociavam sentenças criminais para a libertação de presos e liberação de bens materiais apreendidos em ações penais. Eles agiam junto a uma turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

De acordo com a polícia, os principais clientes da quadrilha eram políticos inclusive com envolvimento na Operação Pecado Capital. Como detalha Giovani Santoro, chefe de comunicação da Polícia Federal.

Os detalhes na reportagem de Juliana Oliveira:

Esquema delatado

O esquema criminoso foi descoberto por meio de delação premiada, após um dos clientes envolvidos na máfia ter contribuído nas investigações. O delator confessou que foi preso durante uma operação da PF e que o grupo de funcionários públicos ofereceu os serviços em troca da liberdade. Ainda segundo o delator, a quadrilha cobrou a quantia R$ 350 mil que deveria ser paga antecipadamente.

As investigações também apontaram que um desembargador do Rio Grande do Norte falecido no ano de 2013 de nome Paulo de Tarso Benevides Gadelha participava do esquema fraudulento. O grupo também está sendo investigado pelos crimes de: associação criminosa, falsidade ideológica de documentos particulares e lavagem de dinheiro.

A Operação Alcmeon conta com o trabalho de 70 policiais federais e cumpre 23 medidas judiciais, sendo dois mandados de prisão preventiva, oito de condução coercitiva e 13 de busca e apreensão.

TRF5 também se manifesta

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região, localizado no bairro do Recife Antigo, se manifestou sobre as denúncias no TRF4 e alegou que não tem conhecimento de qualquer irregularidade praticada no seu âmbito.

Confira a nota completa

Em relação à Operação Alcmeon, deflagrada, hoje pela manhã (30), pela Polícia Federal, a Presidência do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 informa que não tem conhecimento de qualquer irregularidade praticada no seu âmbito, ressaltando que sempre usufruiu de elevado conceito no meio jurídico brasileiro, tanto por sua seriedade quanto pela celeridade da prestação jurisdicional.

O TRF5 também salienta que tomou conhecimento dos fatos pela imprensa e que as investigações já estão sendo conduzidas pela Justiça Federal de Primeiro Grau do Rio Grande do Norte.

Mais Lidas