POLÍCIA

Exame não detecta sêmen em guardanapo usado por grávida em ônibus

Os testes foram feitos pela Polícia Científica em um guardanapo utilizado para limpar a grávida

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 07/09/2017 às 17:10
Leitura:

Imagem

Da TV Jornal

Testes feitos pela Polícia Científica em um guardanapo utilizado para limpar uma grávida que denunciou ter sofrido abuso sexual dentro de um ônibus, no Terminal da Macaxeira, não detectaram a presença de esperma. A informação foi divulgada pela gestora da Polícia Científica, Sandra Santos, nesta quinta-feira (7).

A análise feita preliminarmente foi considerada inconclusiva. Diante desse resultado, o guardanapo foi encaminhado para o laboratório de genética forense da polícia científica, onde será feito o exame para tentar extrair e identificar material genético na amostra. A previsão é de que o resultado desta nova análise fique pronto na próxima semana.

O HOMEM TERIA EJACULADO NO BRAÇO DA MULHER

A vítima, que trabalha como operadora de crédito, denunciou o abuso, que teria acontecido quando ela estava dentro de um ônibus que fazia a linha TI Camaragibe / Macaxeira, na noite da terça-feira (6). Segundo ela, o ambulante de 23 anos teria ejaculado dentro do coletivo e sujado o braço dela. Ele foi detido e encaminhado à Delegacia de Camaragibe. Apesar de ter sido autuado por estupro, o ambulante foi liberado na audiência de custódia, no fórum de Jaboatão dos Guararapes.

A juíza Roberta Barcala converteu a prisão em flagrante para liberdade provisória. Na avaliação dela não houve detalhes no relato da vítima para comprovar que o suspeito usou de violência, ou grave ameaça para cometer o crime. A justiça concedeu medidas cautelares ao ambulante. Ele está impedido de se mudar enquanto a ação estiver em andamento. A acusação, de acordo com a juíza, pode ser caracterizada como constrangimento ilegal, com pena máxima de um ano de reclusão.

Mais Lidas