ACIDENTE

Homem que teve antebraço decepado diz que empresa de ônibus não ajudou

Por meio de nota a empresa Caxangá lamentou o ocorrido. O homem alega falta de assistência da empresa depois do ocorrido na segunda-feira (4)

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 11/09/2017 às 22:38
Leitura:

Imagem

José Ricardo Figueiredo Nascimento, de 30 anos, que teve parte do braço decepado na segunda-feira (4), depois de ter colocado o membro para fora de um ônibus, conversou com a reportagem da Rádio Jornal sobre o ocorrido. O acidente aconteceu por voltas das 13h30 na Avenida Getúlio Vargas, em Olinda, no ônibus número 358, da empresa Caxangá, que fazia a linha Ouro Preto/Rio Doce.

O homem informou que está desempregado e a empresa não prestou assistência depois do acidente. “Eu estou com o meu aluguel em atraso, porque aqui eu pago aluguel, estou com minha luz e passando dificuldades. Eu tenho que comprar medicamentos... em momento algum a empresa de ônibus foi lá no hospital”, disse.

Falta de atenção do motorista

O passageiro assumiu que estava com o cotovelo para o lado de fora do coletivo, mas alegou que houve falta de atenção do motorista. “Tinha um ônibus na frente do que eu estava... aí o motorista foi fechou as portas, entrou alguns passageiros e ele deu uma ré para fazer uma manobra para seguir viagem. No que ele foi fazer a manobra, foi na hora do impacto do poste com meu cotovelo”, esclareceu. Depois de ser socorrido para o Hospital Tricentenário, no Bairro Novo, em Olinda, José Ricardo foi encaminhado para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista.

Informações com Leopoldo Monteiro:

A empresa de ônibus Caxangá se pronunciou por meio de nota. Confira na íntegra:

A Rodoviária Caxangá lamenta o ocorrido e informa que prestou o devido socorro à vítima no acidente na última segunda-feira (04/09) e está colaborando com as apurações. A Caxangá informa que os investimentos da empresa em treinamentos e campanhas educativas são constantes. Os temas abordados vão desde direção defensiva, melhor convívio com ciclistas a questões comportamentais como cidadania nos transportes.

Mais Lidas